Ela tem efeitos avassaladores e altera regiões específicas do cérebro, aumentando os níveis dos neurotransmissores responsáveis por sensações como prazer, ansiedade e felicidade. Mas há quem diga que a sensação é passageira e que é utopia manter o fogo no casamento. Quem afirmou isso recentemente foi a atriz Juliana Paes, famosa por sua beleza. Entretanto, é possível assimilar as ideias de que todos se unem pela paixão e que o sexo de qualidade resulta de uma construção diária dos parceiros.

Trata-se de uma questão de adequação do casal. O casamento é uma busca eterna pela adequação e quando se perde essa sensibilidade é que dizem que a paixão acaba. Acredito quando todos os elementos de um relacionamento como cumplicidade, amizade, companheirismo são essenciais para a contínua reconstrução da paixão.

Com consciência, sensibilidade e respeito o casal consegue sim manter a paixão. Em certo momento da vida as pessoas perdem parte da capacidade sexual. Nos homens por exemplo, o início da ereção é mais demorado e nas mulheres a vagina fica mais ressecada. É nesses instantes que o casal deve buscar adequação. A procura pelo prazer é uma forma de reacender a paixão e pode ser muito gratificante. Vale a pena a reflexão.