Algumas pessoas têm dificuldade de assumir suas falhas nas brigas. Por essa dificuldade, costumam justificar dizendo que o outro foi o responsável pelo seu comportamento (erro). Conduzem a situação para se vitimizarem,  e para colocarem o namorado (a) / esposo (a) no papel de “problemático”.

Aquele que é “acusado” de sempre estar errado pode ficar confuso. Às vezes ele percebe as manipulações do companheiro, mas não sabe como não “cair” na “conversa”. Isso acontece porque o “acusado” normalmente tem comportamentos impulsivos, de insegurança e dificuldade de estabelecer limites. Assim, no final das discussões, esses comportamentos podem o tornar “culpado”. De alguma forma, por perder a razão no final dos desentendimentos, ele permite que o “manipulador” o responsabilize por todo acontecimento que causou a briga.

É fundamental o “acusado” ser sincero consigo mesmo, percebendo o que não está “legal” no seu próprio comportamento, e também o que não está “legal” no comportamento do seu companheiro(a):

*Diferenciar quais são os seus próprios erros e quais são os erros do seu parceiro(a).

*O que causa os seus comportamentos “errados”? Como melhorar para não perder o controle? (caso não consiga sozinho, o acompanhamento com o psicólogo é indicado)

Então, primeiro é fundamental conseguir admitir os seus próprios erros, para então saber realmente quais são os “erros” do seu companheiro. Depois, entendendo essas questões, o “acusado” poderá:

*Identificar como o companheiro(a) o  torna “culpado”, como ele contorna a situação, quais as provocações que ele se utiliza para o desestabilizar.

*Nos momentos em que perceber que acontecerão essas situações, devecortar “o mal pela raiz”, saindo da situação. Dessa forma não permitirá o companheiro agredir com as palavras ou provocar. O “acusado” precisa respirar fundo e esperar se acalmar. Assim, poderá evitar perder o controle e a consciência pelos seus atos.

www.michelliduje.com.br

 

Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Instagram Compartilhe no Twitter Compartilhe a Tribuna