Muitos sentem insegurança quando vão assumir novos compromissos e responsabilidades, principalmente quando a pessoa não se sente preparada e madura o suficiente para um desafio ou uma nova situação.

Por exemplo:

*Começar a trabalhar ou passar a ter diferente função no emprego

*Tornar-se pai / mãe, alterando a rotina e o planejamento financeiro

*Iniciar um relacionamento mais sério (namoro, noivado, casamento), sendo necessário uma dinâmica diferente na vida de cada um.

            Essas transformações modificam o cotidiano, gerando a necessidade da pessoa se estruturar e se planejar para esse “novo” dia a dia. Algumas responsabilidades e comprometimentos exigem:

*Saber confiar no outro

*Responsabilizar-se por outra pessoa (exemplo: filho)

*Mudar a rotina

*Lidar com a possibilidade de fracasso

A pessoa pode ter dificuldade de se acostumar às mudanças, sentindo-se pressionada e emocionalmente sobrecarregada. Assim, ela pode ter vontade de “largar tudo”, tentando fugir dos compromissos, agindo de forma impulsiva. Mas isso acaba não sendo a solução, pelo contrário, costuma gerar mais angústias e medos para a sua vida, tornando a pessoa uma “eterna” fugitiva.

É mais provável a pessoa se prejudicar fugindo de suas responsabilidades do que se prejudicar enfrentando as dificuldades em ser responsável. Mesmo com a sensação de “escapar” dos problemas, é muito perigoso não pensar nas consequências ao se esconder das suas responsabilidades. A fuga afasta a possibilidade de amadurecer emocionalmente, de melhorar sua forma de se relacionar e de se fortalecer para os próximos desafios da vida (…).

A solução não é fugir dos compromissos, a solução é aprender a lidar com eles. É fundamental se desafiar e lidar com os medos e inseguranças, para isso é importante descobrir a causa da dificuldade de assumir as responsabilidades. O psicólogo é o profissional que poderá ajudar a compreender e enfrentar esses desafios.

http://www.michelliduje.com.br