Autoridades do mundo inteiro, como o presidente do Estados Unidos, Donald Trump, atletas olímpicos e a Organização das Nações Unidas (ONU) se uniram contra o governo do Irã, que condenou o lutador Navid Afkari à morte por participação no assassinato de um segurança do regime iraniano.

O atleta alega que foi torturado para confessar o crime, que não cometeu, segundo o acusado. “Para os líderes do Irã, eu apreciaria muito se vocês poupassem a vida deste jovem, e não o executassem”, escreveu Trump em suas redes sociais na última semana.

O presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, também ressaltou que a instituição se solidariza com o atleta. “Estamos extremamente preocupados com o caso do Afkari. Estamos fazendo o possível para achar uma solução para o caso”, disse o dirigente por meio de uma nota oficial.

A ONU também se posicionou contra a condenação do lutador. “As pessoas não devem ser punidas com as suas vidas”, destaca a entidade.