Felipe Cabocão ainda caminha a pequenos passos dentro do UFC. No entanto, o pensamento do peso-galo do Amapá está lá na frente. Com 25 anos, o atleta vai fazer a sua terceira luta na organização – ele enfrenta o americano Montel Jackson, neste sábado, pelo UFC Raleigh -.

Anteriormente, o brasileiro estreou com derrota para o compatriota Geraldo Espartano e, na sequência, venceu o americano Domingo Pilarte. “Minha meta é fazer várias lutas neste ano, pois quero estar entre os top 15 da categoria em 2021, para, que sabe, já ter uma oportunidade pelo cinturão”, disse o amapaense, em entrevista ao Direto do Octógono.

Análise do UFC Raleigh.

Para o confronto deste fim de semana, Cabocão deixou de lado as festas de final de ano e se regrou para chegar 100% no UFC Raleigh. “Tive dois meses de preparação, foi bom para treinar e dar uma boa descansada também. Abdiquei de Natal e Ano Novo para essa luta e foquei no camp junto com meus companheiros da Team Nogueira”, ressaltou o peso-galo.

Natural de Macapá, Felipe Dias Colares passou a ser conhecido como “Cabocão” por conta do seu estilo mais reservado. “No Norte há essa expressão ‘Caboco’, que é um cara mais grosso, que não é estudado, que fica mais na dele. Eu sempre quis falar o mínimo possível. Mas, os caras da academia me apelidaram assim. Não sou grosso e estudei bastante, sempre falei isso pra galera, mas, não teve jeito. Ficou Cabocão mesmo”, brincou o brasileiro.

Felipe Cabocão faz a quarta luta do card preliminar do UFC Raleigh. O evento começa às 19h (horário de Brasília).