Às vezes sentimos necessidade de acertar algumas coisas que ficaram mal explicadas. É uma espécie de acerto de contas, não no sentido material, mas emocional para uma recuperação interna.
O Furacão tem algumas contas para acertar com o Palmeiras.
Aquela goleada de 4×0 no Allianz Parque reclama explicações. O Furacão estava por cima: finalista da Primeira Liga, tinha conquistado o Estadual submetendo o rival histórico Coritiba a uma das maiores humilhações da história. De repente, toma de 4×0 contra um Palmeiras em formação.
Há contas a serem acertadas, e não são com o Palmeiras. É uma questão do interior dos atleticanos. Se não bastasse esse elemento subjetivo, há um fato relevante e que se vê: a obrigação do Atlético ganhar na Baixada. Só assim vai continuar compensando, ainda que em parte, a rotina de fracassos nos jogos fora. Uma derrota na Baixada vai descompensar a sua campanha. Mas esse é jogo daqueles cujo resultado é tão impreciso que se recomenda prestar atenção no roteiro.

Otimismo

Nunca neguei de público minha amizade e respeito aos amigos. Entre eles, Paulo César Carpegiani, novo técnico dos coxas. Sempre criticando a sua aposentadoria precoce, incentivei-o a aceitar o convite do Coritiba. Ontem, Carpegiani me telefonou. Confesso que estranhei o seu entusiasmo com o desafio que são as coisas do Alto da Glória. Disse-me ele: “Estou gostando. Espere e verá”. Lembrei de 1995, quando o Atlético tomou a divina goleada dos coxas por 5×1. Na véspera, Carpegiani tinha me aconselhado a não ir ao jogo. Estava certo. É melhor ter um técnico que tem a experiência para se reinventar. O Coritiba joga contra o Cruzeiro, em Belo Horizonte, sem alguns titulares, em especial, Kléber. Não sei se o Coritiba atual é motivo de tanto entusiasmo.

Ufanismo

A goleada sobre a Dinamarca criou a sensação de que o Brasil voltou a jogar um grande futebol. Bem por isso, a Colômbia cai bem como adversário nessa fase. Formada por uma geração que é comparada à de Valderrama, Rincón e Asprilia, a Colômbia pode nos dar a exata ideia de onde o Brasil pode chegar.