Pelo Paranaense, Athlético x Londrina, na Baixada, e Coritiba x Paraná, no Couto Pereira.

Furacão e Coxa não só devem ganhar pela lógica, como têm que ganhar pela obrigação. Se no futebol, às vezes, o dever pela lógica pode ser impedido pelo imprevisto, a obrigação, não. Dela, por tradição e por estrutura, os dois não podem fugir. 

Desde que os Estaduais tiveram seus interesses técnicos rebaixados pelos grandes clubes, afirma-se que o seu título não exerce papel relevante.

Há dúvidas.

Sou daqueles que entendem que, em qualquer segmento da vida, qualquer título faz bem para o currículo. Por adotar um profissionalismo de marca, o futebol imprime relevância a qualquer fato vitorioso.

E se não fosse o bastante, há outra questão para quem nega a importância de algo que perde. Ganhar o título pode não ter nenhuma influência, mas, a perda provoca dúvidas internas e reações populares que, agora, se tornaram mais poderosas por força das redes sociais.

As exigências ao Athletico devem ser maiores. O seu futebol, sob qualquer aspecto, no empate (1×1) no jogo de Cornélio Procópio foi pinta de dúvidas técnicas e individuais. Nela, só Nikão e Santos foram identificadas.

O que não valia nada, passa a valer muita coisa para Athletico e Coritiba.

Torcida mecânica

Há quem reclame que a transmissão dos jogos do Paranaense está expondo muito a reação dos profissionais em campo. Sem torcida, o som ambiente transmite gritos, ofensas, ordens e qualquer manifestação oral.

Há que peça a torcida com som virtual, a torcida “mecânica”, segundo os espanhóis.

Tratando-se de Paranaense, o som virtual seria muito falso. Esse oferece uma aparência de espetáculo, quando o jogo na sua normalidade teria público. No entanto, o Paranaense, é um dos campeonatos do Brasil com o menor número de pagantes. No Atletiba, concordo: a torcida virtual irá representar a torcida verdadeira. Fora disso, o som ambiente é a pura realidade e contra ela não para investir.