1º. O Athletico joga a semifinal da Copa do Brasil, precisa reagir a um placar negativo de dois gols contra o poderoso Grêmio, mas, no entanto, o seu dono pensa em outra coisa: negócios estranhos ao jogo de campo. Daí, ter reunido a imprensa para anunciar que o Athletico irá criar uma universidade de esportes, e a proposta feita a japoneses pelas ações da futura sociedade anônima.

Bem melhor seria se Petraglia reunisse a imprensa para falar do jogo e dos projetos para o futebol do Furacão, que nos momentos decisivos mostram equívocos mortais pela absoluta falta de competência para implementá-los.

2º. Quando se reclama o retorno de Wilson, o Coritiba incentiva a saída do grande goleiro. E, assim, corre o risco de arrumar um grande problema na sequência da Segundona. Alex Muralha não é confiável como elemento absoluto e definitivo. Os últimos gols sofridos pelo Coxa, teve indiretamente a sua participação. As bolas desviadas não foram causa do gol adversário, mas, sim, a sua colocação. E, no gol impedido da Ponte Preta, em Campinas, bem que poderia ter a saída da bola vinda de escanteio.

Sei que o Coritiba quer se livrar do salário de R$ 180 mil de Wilson. De repente, a economia pode sair cara demais.

3º. No caso de doping, das duas, uma: ou a defesa dos jogadores Thiago Heleno e Camacho foi fraca juridicamente ou concordou com uma decisão que acomodasse, também, os interesses do Athletico, em um escancarado conflito de interesses. Não há outra explicação para a suspensão dos jogadores, se a lei especial absolve o atleta em razão da responsabilidade do clube. No caso, o Furacão confessou a culpa. O fato de que Heleno e Camacho retornam em outubro é irrelevante. Nos dados de atletas estão a marca de suspensão por doping.

4º. A situação do treinador Matheus Costa, no Paraná, não é tão segura como aparenta. E a desconfiança na Vila e na arquibancada tem sentido: não há como explicar que de 15 pontos jogados na Vila, apenas 5 foram ganhos. E o fator casa está sendo o mais importante para os times que estão à frente do Tricolor.