Volto de férias, sem lembrar onde o futebol paranaense havia parado. Lembrando, constato, que se mudou, foi pouca coisa. Pergunto: isso é bom ou isso é ruim?
No Athletico, o fato de maior significado, embora o que significa pode não ser necessariamente positivo, foi a contratação de Dorival Junior, como seria a de outro treinador. É que o cargo estava vago. Mas, o significado não se encerra na escolha de Dorival. Ao contrário, nessa escolha não deve faltar críticas aos cartolas do Furacão: o critério adotado foi o da exclusão, quando deveria ser o da opção imediata.

Lembrou-me uma cena do filme “Churchill”. O líder inglês estava angustiado, quando foi avisado pelo seu ajudante de ordens, que o comando aliado havia decidido seguir o seu conselho e realizar o Dia D, na Normandia. Então, seguiu-se uma das suas célebres frases: “Os americanos são assim. Só acertam quando todas as opções erradas estão esgotadas”. A escolha de Dorival foi mais ou menos assim. O treinador foi contratado, depois do fracasso (feliz, aliás) com Rogério Ceni e Roger Machado, e cair da esteira do modismo de estrangeiros. Foi, então, que o Athletico ganhou a consciência de que a sua filosofia de vida não diverge da de Dorival Junior.

Conhecendo a impaciência da torcida do Athletico, já havia afirmado que para substituir Tiago Nunes, o maior ídolo da história recente do Furacão, era imprescindível, que entre as virtudes, o novo treinador não tenha medo de mitos, ídolos ou fantasma. Também, por isso, o Athletico, com Dorival, diminuiu o risco de erro.

Animação

Em um dos seus poemas, o espanhol Juan Gil-Albert diz que “você tem que viver animado, mas sem ilusões.” Essa bela lição deveria servir de orientação aos coxas. Com um técnico futuroso como Barroca, o Coritiba pode começar a estruturar o time para o Brasileirão. Racional com as finanças, neste início de temporada, preferiu ir para o mercado de sobras, que oferece bons reforços. Assim, já pode começar a descascar a pele de time de segunda divisão. Dos contratados, o mais interessante foi o zagueiro Rodolfo, não o velho, mas o jovem que veio do Paraná.