Há dois meses não se joga uma partida de futebol. Seria pouco tempo, se o futebol não nos fosse tão importante. Mas a sua relevância em nossas vidas faz com que um dia sem ele seja uma eternidade.

Mas, eis que os alemães (e só teriam que ser os alemães) vão dar um presente ao mundo: no sábado, volta a ser jogada a Bundesliga. E quando um país é perfeito, como é a Alemanha, a coincidência deixa de ser algo alienado para se tornar uma virtude. A volta do futebol será marcada por aquele que é o Fla-Flu dos germânicos, Borussia Dortmund x Schalke 04.

O simbolismo do jogo é tão forte que vai entrar para a história como se fosse a ressureição do futebol. Se é certo de que o coronavírus está dividindo a história de nossas vidas, é certo em afirmar que Borussia Dortmund x Schalke 04 irá dividir a história do futebol. Há um nascido com os ingleses e, a partir de sábado, haverá outro ressuscitado pelos alemães.

Não politizando a peste, os alemães provam de que o povo que respeita a si próprio tem a capacidade de vencer qualquer crise. Embora submetidos a uma legislação extraordinária de isolamento social irrestrito, continuam se auto protegendo. Em razão dessa cultura, duas semanas foram o bastante para que o futebol alemão se preparasse para jogar em meio à peste.

Perguntamo-nos: quando haverá uma bola correndo por aqui? Em país em que o vírus acabou sendo apenas um coadjuvante, em um cenário que o protagonista é um presidente destemperado, tudo é incerto.

E, se não bastasse, a volta do futebol no Brasil transforma-se como objeto de especulação. Há quem use o disfarce de médico e sanitarista para ampliar essa incerteza, provocando dúvidas em estudos sérios.

A Universidade Federal do Paraná desta vez não pisou na bola. Simplesmente furou a bola, quando permitiu a divulgação de um estudo, que seria da sua responsabilidade, que exclui o futebol profissional dos esportes que podem ser praticados, ainda, em 2020.

Mais grave: a sua locução foi por um educador físico (Fernando Mezzadri) e por um advogado (Paulo Schmitt), que pela formação acadêmica sugerem ser estranhos à medicina. A especulação em si já é censurável. Como oportunismo de notoriedade, é um ato condenável.

Pela UFPR, os alemães estariam errados pela volta do futebol. E, então, não haveria Borussia Dortmund x Schalke 04.