A vuvuzela, a famosa corneta usada na Copa do Mundo da África do Sul, é a campeã na produção de barulho e pode causar perda permanente na audição.

Mesmo as adaptações fabricadas em outros países para as torcidas entrarem no clima dos jogos também produzem barulho em excesso, pelo menos é o que diz um estudo realizado pela fundaçãoHear the World, especializada no estudo de surdez.

A FIFA, no entanto, autorizou a utilização do instrumento de plástico durante o torneio, que começa na próxima sexta (11), após um teste em estádio para 95 mil pessoas em Johanesburgo, na África do Sul, em que se avaliou a possibilidade das cornetas interferirem nos anúncios de emergência.

Ainda que seja usada normalmente em partidas do campeonato local, a vuvuzela também está sendo tocada em partidas amistosas e nos treinamentos antes da Copa.

A fundação afirma que testes mostraram que a corneta produz muito barulho, ultrapassando inclusive o som produzido por uma motosserra.

Os testes, realizados no último mês em um estúdio à prova de som, apontaram que a vuvuzela produz 127 decibéis, mais do que uma buzina de ar comprimido – 123.5 decibéis – ou os tambores brasileiros.

Para Luciano Neves, otorrinolaringologista da Unifesp, a exposição excessiva ao barulho pode causar lesões graves e deve ser evitada: “O cérebro se adapta e você passa a não perceber que o volume está cada vez mais alto. O problema é que o ouvido, que serve apenas como um canal transmissor, não tem a mesma facilidade de se adaptar como o cérebro e sofre com o impacto, daí o perigo de uma lesão mais grave”, explica Luciano.  

De acordo com a Hear the World, a exposição continuada a 85 decibéis pode gerar perda de audição permanente. Por isso, a organização pede que os torcedores utilizem protetores auriculares para evitar riscos.

Acima de 90 decibéis, o barulho pode causar problemas como zumbido e perda auditiva parcial. A vuvuzela soa cada vez mais forte na África do Sul na medida em que a Copa se aproxima.

O instrumento toca em locais como aeroportos e shoppings, mas nos estádios, quando dezenas de milhares de pessoas vão tocar a corneta simultaneamente, a sensação será algo próximo a um congestionamento com vários carros buzinando ao mesmo tempo.

Os médicos pedem atenção a estes resultados e recomendam que os torcedores não fiquem muito tempo expostos a este tipo de barulho para evitar danos graves.