A Anistia Internacional lançou uma campanha global que tem por objetivo acabar com a violência contra as mulheres, uma das maiores atrocidades e abusos aos direitos humanos da atualidade. Os relatórios da organização apontam que os casos de violência vão desde os conflitos armados, à violência na família e às práticas tradicionais perniciosas, que procuram controlar a sexualidade das mulheres.

A campanha vai ter duração de dois anos e será realizada por meio de todos os comitês que a Anistia tem espalhados em várias partes do mundo. Os milhões de casos que chegam como denúncias aos órgãos que trabalham na defesa dos direitos humanos foram decisivos para que a organização criasse a campanha.

Conforme a organização, mesmo quando existe legislação que previne e pune esse tipo de violência, as autoridades rotineiramente falham na implementação da legislação. Em algumas áreas, sistemas paralelos de autoridade, comunitários e religiosos coexistem, efetivamente, permitindo que a violência continue.

Foram enumerados alguns pontos que serão determinantes para que a campanha tenha resultados efetivos e positivos:

*  Apelar a todos para que digam não à violência contra as mulheres.

*  Trabalhar no sentido de que todas as culturas, tradições, sistemas políticos e judiciais considerem a violência contra as mulheres como um ato detestável.

*  Exigir a responsabilização e lutar contra a impunidade a quem pratica tais atos.

*  Exigir que sejam abolidas as leis que discriminam as mulheres e que sejam implantadas leis que as protejam.

*  Responsabilizar os estados sobre as ações para prevenir, investigar, punir e compensar todos os atos de violência contra as mulheres.