O maracujá é uma trepadeira que cresce geralmente ao pé das grandes árvores. Possui folhas grandes, flores coloridas, cálice verde por fora, branco e lilás por dentro. A palavra maracujá vem do idioma tupi, que significa “alimento dentro da cuia”. Existem vários gêneros de maracujá.

O maracujá é nativo do Brasil, mas hoje pode ser encontrado em partes da Europa, Estados Unidos e em outros países de clima tropical. As propriedades químicas características são: alcalóides, sais minerais, vitaminas, A, B1, B2, C, entre outros.

Dentre muitas propriedades terapêuticas destacam-se: sedativa, emenogoga, antiinflamatória, depurativa, vermífuga, antiespasmódica, analgésica, antidisentérica, ansiolítica e antialcoólico.

Maracujá é indicado para irritabilidade, insônia, perturbação da menopausa, hipertensão arterial, excitação nervosa, estresse, hemorróidas e desequilíbrio do sistema nervoso central. Além de ser indicado para usuários de drogas, pois sua ação sedativa faz com que alcoólicos e drogados suportem melhor o desejo de usar as drogas e ajuda a superar a ansiedade que os acompanha.

A vitamina C estimula o sistema imunológico melhorando as defesas naturais do organismo, contra os invasores externos. A polpa é rica em betacaroteno e possui grande quantidade de potássio, que pode reduzir os riscos de derrames cerebrais, segundo relatam pesquisas recentes. As folhas do maracujá têm substâncias capazes de atuar como depressoras do sistema nervoso central. Esses elementos possuem ação semelhante aos potentes tranqüilizadores usados no tratamento de doenças mentais graves.

Preparação

Folhas e raízes: para insônia, excitação nervosa ou irritabilidade.

Para alcoólicos e toxicômanos: Preparar 100g de folhas por infusão, num litro d’água, adoçando com mel. Tomar um copo quatro vezes ao dia.

O fruto é excelente para fazer suco, pois ainda assim conserva seus princípios ativos.