Levar informações aos portadores de esclerose múltipla (EM), melhorando sua qualidade de vida. Esse é objetivo da Schering do Brasil, que capacita enfermeiras para percorrer o país realizando cursos e palestras sobre a doença. Na próxima quinta-feira, dia 20 de maio, Londrina recebe pela primeira vez a visita de uma especialista. A enfermeira Lilian Mainardes ministra, às 20h, uma palestra sobre a doença e os tratamentos disponíveis para pacientes da Associação Londrinense dos Portadores de Esclerose Múltipla, na Igreja Sagrados Corações (Rua Mato Grosso, 1167). O curso é gratuito e aberto à comunidade. As inscrições podem ser feitas pelo telefone (43) 259-1437.

A esclerose múltipla é uma doença que afeta jovens adultos, entre 20 e 40 anos. As mulheres são acometidas com maior freqüência, na proporção de duas para cada homem. De causa desconhecida, a esclerose múltipla é uma doença neurológica desencadeada quando as células de defesa imunológica atacam o sistema nervoso central (SNC), provocando a destruição da mielina que envolve as terminações das células nervosas. O dano dificulta a transmissão das mensagens originadas pelo SNC, o que progressivamente prejudica e degenera a coordenação muscular, a visão, a audição e a fala. A EM também pode prejudicar outras funções neurológicas, como a sensibilidade geral e o controle dos esfíncteres.

Tratamento

Os sintomas variam conforme o local onde aparecem as lesões. Assim, a manifestação da doença difere de pessoa para pessoa e pode sofrer variações no mesmo indivíduo de acordo com o momento considerado. O paciente precisa adaptar-se constantemente a novas rotinas, além de usar medicamentos específicos para auxiliar seu tratamento. O interferon beta b1, um dos medicamentos utilizados para o tratamento de esclerose múltipla, retarda a progressão da enfermidade, reduz e aumenta o intervalo entre as crises, que podem deixar seqüelas. A medicação, que necessita obrigatoriamente de prescrição médica, foi desenvolvida pela Schering do Brasil, que mantém-se em constante pesquisa para encontrar maneiras de melhorar a vida dos pacientes.

É importante que o paciente de EM compreenda e aprenda a melhor forma de lidar com as limitações da doença. Por ser difícil prever o curso da doença, especialmente quanto às formas de manifestação, o portador de EM precisa conhecer todas as ferramentas que estão ao seu dispor e adotar uma visão positiva diante desse desafio.