Uma pesquisa que será realizada pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo pretende mapear o comportamento gay para aperfeiçoar programas de prevenção à aids. Cerca de mil questionários serão aplicados ao longo dos próximos três meses do projeto na região central da cidade. Além dos questionários, serão oferecidos testes de HIV.

Batizado de projeto SampaCentro, o estudo, elaborado em parceria com a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, tem por objetivo conhecer melhor os hábitos de gays, homens que fazem sexo com homens e travestis no centro de São Paulo e sobre práticas sexuais e prevenção do HIV, além de possibilitar o aprimoramento das ações de prevenção à Aids.

Dados epidemiológicos do programa estadual de DST/Aids, da secretaria, apontam que a prevalência de HIV/Aids entre a população geral é de 0,6%, enquanto em gays e outros HSHs (homens que fazem sexo com homens) chega a 10,5%.

A pesquisa, coordenada pelo Centro de Referência em DST/Aids será feita nos bairros da República e Consolação. Serão abordados frequentadores de bares, boates, academias, cinemas e outros espaços da região central.

O teste de HIV será realizado em um posto itinerante do projeto. Os dias, horários, locais e até as pessoas que serão abordadas serão escolhidos por sorteio para garantir a representatividade do trabalho.