Avandia, medicamento da GlaxoSmithKline utilizado no tratamento do diabetes tipo 2, reduz alguns efeitos colaterais dos medicamentos anti-retrovirais. Esta foi a conclusão de uma estudo divulgado por pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts e da Escola de Medicina de Harvard. Os pesquisadores afirmam que a rosiglitazona, princípio ativo de Avandia, ajuda na redistribuição da gordura corpórea reduzindo mudanças no metabolismo muito comuns em pacientes diabéticos.

O cocktail anti-HIV mantém os pacientes soropositivos vivos e saudáveis mas os efeitos colaterais são responsáveis por uma série de complicações, principalmente na distribuição da gordura no corpo. Muitos pacientes perdem gordura do rosto dando a impressão de que emagreceram mas ganham adiposidade na região abdominal, esta gordura é considerada a mais perigosa e um importante fator de risco para o desenvolvimento do diabetes e doenças cardiovasculares.

“As complicações metabólicas causadas pelo tratamento com o cocktail anti-HIV tornam-se mais severas com o passar dos anos pois têm caráter cumulativo”, afirma Collen Hadigan, coordenadora do estudo. “Nós sabemos que 14% dos pacientes em tratamento da AIDS podem desenvolver diabetes tipo 2 e complicações cardiovasculares associadas à doença. Esse risco é 4 vezes maior do que o de uma pessoa sem HIV”, acrescenta.

O estudo pesquisou soropositivos durante três meses. Os pacientes que tomaram Avandia tiveram 20% de melhora na resistência à insulina e acúmulo de gordura abdominal, principais fatores de risco para o DM2 e complicações cardiovasculares.