A chegada do inverno provoca várias doenças e também agrava sintomas de outras. Pessoas com artrite reumatóide sofrem muito mais no inverno. Isso porque a sensação de dor é maior. A artrite reumatóide é predominante no sexo feminino, com ênfase para a faixa dos 40 a 50 anos. Afeta 1% da população mundial (cerca de 1 milhão e 700 mil pessoas no Brasil). A doença não tem cura e é considerada incapacitante.

A percepção maior da rigidez e de piora da artrite reumatóide no inverno envolve as articulações, onde ocorre muita dor e inchaço, chegando a comprometer os movimentos. Por isso é muito importante para os pacientes procurarem ajuda dos médicos reumatologistas e manterem o tratamento.

O tratamento da artrite reumatóide tem por objetivo aliviar a dor, reduzir a inflamação e proteger as estruturas articulares. Os médicos recomendam repouso, fisioterapia e exercícios, associados ao uso de vários medicamentos. Geralmente são usados antiinflamatórios não hormonais e corticóides.

Mas a chegada de novos medicamentos biológicos, como Remicade (infliximabe), são uma grande esperança aos pacientes, já que como eles se consegue interromper a progressão da doença e seus sintomas. Remicade é um imunossupressor seletivo que atua diretamente no bloqueio de uma substância chave no processo inflamatório, responsável pela progressão da Artrite Reumatóide: a citocina TNF-a (Fator de Necrose Tumoral). O bloqueio específico desta citocina favorece a inibição de todo o processo inflamatório, proporcionando alívio significativo dos sintomas e conseqüentemente uma grande melhora na qualidade de vida dos pacientes.