Dados da OMS mostram que um entre sete pessoas tem problemas respiratórios.

Bastou os termômetros registrarem os dias mais frios do ano, para surgirem as primeiras conseqüências da inversão térmica: os surtos de gripes, resfriados e sinusites. O volume de atendimento aumentou em 40% nos principais centros de saúde. Mas para quem pensa que somente a gripe é a responsável pelo aumento desse fluxo, fica um alerta. Um levantamento da Organização Mundial de Saúde aponta que uma entre sete pessoas sofre com problemas respiratórios em todo o mundo, provocados, na maioria dos casos, por epidemias de vírus, poluição e variações de temperatura. E é justamente quando a temperatura cai, que essas crises alérgicas se manifestam. “As doenças do aparelho respiratório possuem sintomas muito parecidos por isto é fundamental que o paciente seja examinado por um otorrino para que o diagnóstico seja correto e o tratamento, eficaz”, alerta Dr. José Eduardo Lutaif Dolci, diretor da Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia.

Entenda as diferenças

O resfriado é causado pelo rinovírus e tem um caráter mais inflamatório como dor de garganta e coriza. Raramente provoca febre e dores musculares.A gripe é causada pelo vírus Influenza e seus sintomas são bem mais fortes dos que observados num resfriado. O vírus penetra no organismo principalmente pelas mucosas e produz manifestações intensas como febre alta, dores no corpo, indisposição e obstrução nasal. Em ambos os casos o ciclo da doença não ultrapassa 10 dias.

Já a sinusite é uma inflamação nos seios da face, cavidades dentro dos ossos da face (total de 4 de cada lado). Estas cavidades são revestidas por uma membrana de tecido que secreta o muco, responsável por lubrificar as vias aéreas e remover as impurezas que respiramos. A sinusite aparece quando o muco é infectado por vírus, bactérias ou fungos e as crises podem variar de 10 a 14 dias. Os sintomas típicos são: sensação de pressão atrás das bochechas, aumento da congestão nasal, catarro amarelo-esverdeado, dor nos seios da face e até mesmo dor nos dentes superiores.

Tratamento

Nos casos de gripes e resfriados, recomenda-se repouso, alimentação balanceada e ingestão abundante de líquidos. Analgésicos e antitérmicos podem ser administrados sob orientação médica. A vacina contra a gripe reduz os riscos de contaminação em até 89% e mantém seu efeito por um ano. No entanto, é necessário ressaltar que, apesar da vacina, algumas pessoas podem ficar gripadas, embora os sintomas sejam mais fracos, semelhantes aos de um resfriado. O tratamento da sinusite baseia-se em antibióticos e descongestionantes orais ou nasais, mucolíticos (medicamentos que dissolvem o muco acumulado) e inalações, que promovem a drenagem do catarro.

Prevenção

Os vírus da gripe e resfriado são propagados pelas gotículas de saliva eliminadas através da tosse ou espirro que permanecem suspensas no ar e favorecem o contágio de pessoas sadias. Evite ambientes fechados, lave sempre as mãos e utilize apenas lenços descartáveis para evitar a reinfecção. A vitamina C não cura gripes e resfriados mas sua ingestão constante contribui para prevenir as doenças, pois aumenta a absorção de ferro, substância que reforça o sistema imunológico. Os casos de sinusite exigem uma observação atenta do paciente. Quando um resfriado se estende por mais de 10 dias e apresenta corrimento nasal verde ou amarelo, dor de cabeça constante, inchaço em torno dos olhos, mau-hálito, náuseas e até vômitos, está na hora de procurar um especialista.