A Associação Brasileira de Alzheimer está preparando uma campanha de esclarecimento sobre a doença. Com o tratamento logo no início da patologia, é possível melhorar significativamente a qualidade de vida dos pacientes e também dos familiares. Segundo a presidente da associação no Paraná, Joice Peters, muita vezes o Alzheimer é confundido com outras doenças, o que acaba atrasando o início do tratamento.

A doença atinge, principalmente, pessoas acima de 70 anos de idade, mas em alguns casos pode aparecer por volta dos 50 anos. Geralmente se apresenta por meio de pequenos esquecimentos, mas aos poucos outros sintomas vão diferenciando o Alzheimer. Entre eles o isolamento social e a perda de alguma atividade cognitiva.

Maria Elisa Pascholato, 42 anos, e a família desconfiaram de que alguma coisa estava errada com a mãe nos almoços em família. “Ela era sempre tão falante e depois passou a ficar mais quieta”, comenta. Procuraram ajuda médica, descobriram o problema e logo iniciaram o tratamento. Maria Elisa conta que a mãe, apesar de esquecer algumas coisas, tem respondido bem aos remédios.

Aos poucos a pessoa vai perdendo várias funções do corpo e num estágio avançado fica de cama, levando uma vida vegetativa.

Joice comenta que a doença aumenta na medida em que cresce a população idosa no mundo todo. Ainda não se conhecem as causas do Alzheimer, mas os especialistas recomendam uma série de cuidados para preveni-lo ao longo da vida. Entre elas, atividade mental, física e também cuidados com a alimentação.

Serviço – Quem quiser mais informações sobre a patologia pode acessar o site www.abraz.or.br ou ligar para 0800-551906.