Embora possa afetar as pessoas em qualquer fase da vida, estudos indicam que a depressão é altamente prevalente nas fases tardias, tanto no Brasil, como no mundo. Segundo pesquisa publicada na Revista Brasileira de Psiquiatria (realizada pelo Departamento de Psicologia Médica da Universidade de Sidney), cerca de 10% da população mundial de idosos apresenta quadros depressivos que necessitam de tratamento, o dobro da prevalência na população em geral. Muitos médicos, porém, têm dificuldade em reconhecer a depressão nos idosos, pois geralmente a doença está associada a algum problema físico, doença ou incapacitação. O psiquiatra Dr. André Luiz Iório alerta: “A depressão pode agravar doenças já existentes e até aumentar o risco de morte entre os pacientes idosos. A família, portanto, tem o papel fundamental de incentivar a busca por tratamento quando notar alguns dos sintomas clássicos, como falta de disposição e tristeza”.

Solidão, convívio com doenças crônicas, dependência financeira, perdas de pessoas próximas, falta de atividade e decadência material são alguns dos motivos que tornam a população idosa vulnerável ao aparecimento da depressão. O Dr. Iório explica que mesmo as formas brandas de depressão podem prejudicar sensivelmente a qualidade de vida do paciente idoso. “O estado do humor do paciente é de extrema importância para o sucesso do tratamento de doenças crônicas e na recuperação de uma cirurgia, por exemplo. Mas é essencial para que se leve uma vida normal, convivendo bem consigo mesmo e com outras pessoas”, afirma.

Como nos adultos mais jovens, a doença também pode ocasionar a diminuição do apetite, perda de peso, dificuldades com concentração e memória, declínio da auto-estima e pensamentos recorrentes de doença e morte. O médico enfatiza que, “sendo leve ou grave, nunca se deve deixar de procurar um tratamento ou melhoria do quadro de depressão. Também não é correto atribuir a depressão, sentimento de tristeza e perda de entusiasmo à idade. É preciso reconhecer que a depressão está presente nos idosos e tratá-la”.