Atualmente, 150 milhões de pessoas, em todo mundo, são diabéticas. Em 25 anos, segundo especialistas, este número poderá dobrar. Grande parte dos portadores da doença desconhecem sua existência. Entre 30% e 40% só procuram um médico quando a doença já está avançada.

O diabetes corresponde ao aumento da taxa de glicose no sangue, quando o pâncreas deixa de produzir insulina. Os principais sintomas são a sede exagerada, muita vontade de urinar, cansaço físico, distúrbios de visão e aumento do apetite. “A pessoa que tem diabetes come bastante mas, mesmo assim, não engorda”, revela o nutrólogo José Carlos Martins da Silva.

Existem dois tipos de diabetes, o I e o II. O primeiro é detectado em pessoas com menos de 18 anos. A criança nasce com baixa quantidade de insulina. Já o diabetes tipo II geralmente começa a se manifestar em pessoas com idades entre 30 e 35 anos. As taxas de insulina começam a diminuir e, por conseqüência, é verificado aumento da glicose no sangue. A doença pode ser identificada por testes que, através da retirada de uma gotinha de sangue do dedo, fazem a medição da taxa de glicose. A confirmação se dá através do exame de glicemia.