A toxina botulínica se torna cada vez mais difundida entre os pacientes, que já buscam a aplicação do produto espontaneamente, antes mesmo da avaliação do dermatologista ou cirurgião plástico.

É o que mostra uma pesquisa realizada, recentemente, pela farmacêutica dermatológica Galderma.

A maioria dos médicos avalia que mais de 50% dos seus pacientes chegam ao consultório procurando o tratamento por iniciativa própria.

Entre os profissionais que responderam ao questionário, 65% afirmaram que já aplicaram o produto para tratar de hiperidrose (sudorese excessiva). A pesquisa apontou ainda que os efeitos da aplicação da substância para fins estéticos duram de 4 a 5 meses e, em alguns casos, chegam a ultrapassar 6 meses.

O número de maior impacto apresenta praticamente um consenso entre os médicos com relação à segurança: 97% deles acreditam que o conhecimento de anatomia e método de injeção a ser utilizado são fatores determinantes para garantir a segurança na sua aplicação.

Números como esses comprovam que a toxina botulínica chegou para ficar, graças à segurança, efeito e praticidade da aplicação. O Brasil é o segundo país que mais utiliza a substância em procedimentos estéticos, perdendo apenas para os Estados Unidos.