A China decidiu abolir a polêmica lei do filho único nesta quinta-­feira (29), informou a agência oficial de notícias Xinhua ­citando um comunicado do Comitê Central que governa o país. A partir de agora, os casais chineses poderão ter dois filhos em qualquer local do território.

Até hoje, apenas as famílias que moravam em áreas rurais tinham esse direito caso tivessem como primeiro primogênito uma menina ou um dos genitores fosse filho único.

Quem morava em áreas urbanas, só poderia ter um filho. A mudança na legislação ocorre após quatro dias de discussão e, segundo fontes, tem como objetivo rejuvenescer a população e movimentar a economia.

Essa medida era considerada vital para o Partido Comunista Chinês ter controle sobre o tamanho da população local e foi implantada há mais de 30 anos pelo governo.

Com mais de 1,3 bilhão de cidadãos, a China é o país mais populoso do mundo e um em cada 10 chineses já tem mais de 65 anos. De acordo com cálculos de entidades internacionais, até 2050, um terço da população do país será de pessoas idosas.