Dados do estudo realizado na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) apontam que quase 40% dos adolescentes brasileiros, entre 15 e 19 anos, já perderam ao menos um dente e, em 93% dos casos, a perda foi provocada por cárie.

Comumente interpretada como resultado de uma escovação inadequada e pela ingestão de sacarose (açúcar), a cárie também pode ser transmitida por um simples contato salivar.

O ato de beijar, compartilhar talheres, a socialização da mesma escova de dente, e, até mesmo, o hábito materno de experimentar a papinha do bebê podem ser decisivos na transmissão dos microorganismos da cárie.

O implantodontista Sidnei Goldmann explica que, mesmo havendo o contato salivar de uma pessoa que possui cárie com outra que não tem, o microorganismo só irá se proliferar se houver um ambiente propício pra isso, ou seja, se a saúde bucal da outra pessoa estiver precária.

A prevenção é a melhor maneira encontrada pelos dentistas para se combater o problema causado pelo microorganismo Streptococus mutans. Uma higiene bucal adequada, com o uso de escova, fio dental e flúor é essencial. Afinal, a boca saudável não permite ação da cárie.