Com a chegada dos dias mais quentes, muita gente só pensa em vestir roupas leves e aproveitar a temporada de praia. No entanto, não é só esse tipo de comportamento que muda com a chegada do verão. Uma das principais mudanças diz respeito aos hábitos alimentares, tudo isso muito natural, já que, se no inverno nosso corpo precisa de mais energia para ficar aquecido, no verão, ao contrário, o corpo precisa recuperar a energia perdida pela transpiração.

A nutricionista Ângela Frason compara o nosso corpo a uma máquina e o alimento ao combustível que faz essa máquina funcionar. Apesar de o calor fazer com que as pessoas percam a disposição de se alimentar, uma alimentação adequada ajuda o organismo a transpor a estação sem maiores problemas de saúde. "O principal nos dias mais quentes é a hidratação, por isso a ingestão de 6 a 8 copos de água por dia é essencial", afirma Ângela, salientando que é permitido abusar das frutas e verduras frescas, para manter o equilíbrio nutricional do corpo.

Moderação

Os cuidados com a alimentação, no entender da nutricionista, devem começar durante as festas de fim de ano. Excessos à mesa, álcool sem moderação e falta de exercício são um trio assustador que, no final das festas, podem deixar as pessoas com indisposições estomacais preocupantes. "As pessoas sabem que vão comer em demasia, mas não se preocupam muito com isso", assegura Ângela. Para evitar esses distúrbios, o principal é, antes de mais nada, moderação. Convém também saber reconhecer os alimentos que provocam ou agravam essas indisposições. São as frituras, as gorduras e os molhos.

Após comer em demasia, a nutricionista sugere que, nas refeições seguintes, a pessoa se contente com frutas ou iogurtes, afinal depois dos excessos à mesa, a abstinência é o melhor remédio. É bom não se esquecer de que é sempre preferível comer mais vezes e menos de cada vez. A melhor solução para um verão saudável, no seu entender, passa por um almoço substancial, mantendo-se o equilíbrio entre os alimentos, um lanche à tarde e um jantar leve.

Intoxicação alimentar

Também é comum, no verão, pessoas que durante o ano não praticaram nenhuma atividade física escolher os dias mais quentes para fazê-lo. Para elas, Ângela recomenda a ingestão de cereais (arroz, feijão) e carboidratos, que podem ser encontrados nos pães e massas, "sempre de maneira equilibrada, sem exageros", adverte. Para recuperar as perdas de líquido comuns em qualquer atividade física nesse período, ela recomenda o uso de isotônicos. "Mas, só para quem pratica alguma atividade desgastante", avisa.

Outro hábito da estação é alimentação fora de casa. Quem não aprecia uma cervejinha e alguns petiscos à beira-mar. Mas, também, não tem quem não se lembre das dores e do desconforto provocados por uma intoxicação alimentar. Em cada verão, muitas pessoas ficam doentes devido a certas extravagâncias na praia e precisam recorrer aos cuidados médicos. Para alguns, esse incômodo poderá durar dois ou três dias, mas para outros a intoxicação alimentar pode ter conseqüências bem mais graves. Ângela Frason diz que, nesses casos, alguns cuidados podem fazer com que o verão seja lembrado apenas pelos seus bons momentos.

Para garantir uma alimentação saudável no verão

· Lave as mãos cuidadosamente antes de preparar os alimentos.

· Lave bem os alimentos que vai consumir, principalmente frutas e verduras.

· Acondicione os alimentos a ser consumidos separadamente, especialmente as aves, o peixe e a carne, de maneira que não se contaminem mutuamente.

· Ao descongelar alimentos, consuma-os em seguida.

· Mantenha a geladeira na temperatura ideal para conservar os alimentos.

· Evite o consumo exagerado de frituras e gorduras.

· Beba muito líquido.