A Organização Mundial da Saúde (OMS) mantém em todo o mundo o alarme pela epidemia de “pneumonia atípica”, enquanto em Hong Kong um grupo de cientistas anunciou que conseguiu isolar o vírus, que pertence à família dos paramixovirídeos.

“O alerta permanece ativo. Por enquanto, foi extremamente útil. Os casos suspeitos foram identificados rapidamente e isolados. Não houve até agora relatos de casos de transmissão secundária. A única exceção ocorreu no Canadá antes do alarme global do último 15 de março”, afirmou David Heymann, diretor-executivo da OMS para doenças transmissíveis.

Um especialista da OMS está entre as pessoas afetadas pela epidemia da “pneumonia atípica”, disse uma fonte da organização em Genebra. O funcionário, do qual não se informou identidade nem nacionalidade, estava trabalhando com o governo de Pequim na China. Quando sua condição começou a piorar, foi transferido para a Tailândia, onde foi imediatamente isolado em um hospital.

Um grupo de cientistas da Universidade Chinesa de Hong Kong anunciou que conseguiu isolar o vírus. O doutor John Tam afirmou que o descobrimento permitirá começar a trabalhar em uma vacina, apesar de ainda faltarem pesquisas sobre a estrutura do vírus que causa a enfermidade, também conhecida como síndrome respiratória aguda severa (SRAS), que surgiu no fim do mês passado no Sudeste Asiático. Os principais sintomas são febre, fadiga e tosse.

Para tentar conter a disseminação do vírus, a OMS ? que contribui com a pesquisa nos centros mais importantes do mundo ? lançou um alerta mundial em que advertiu as companhias aéreas para que reforcem a vigilância sobre o estado de saúde dos passageiros e funcionários, além de tomar medidas de precaução no tratamento dos filtros de ar.

Segundo especialistas da OMS, a epidemia pode ter começado na província chinesa de Guangdong em novembro, onde foram contabilizados cerca de 300 casos. Por enquanto, já são pelo menos 12 países que registraram a presença de casos seguros ou prováveis dessa doença.