Valquir Aureliano / GPP
Valquir Aureliano / GPP

Mauro Carbonar, da Soma-PR.

A acupuntura é uma das especialidades médicas que mais cresceram no Brasil. Há uma década, apenas cerca de 10 profissionais clinicavam em Curitiba, agora são 250. Segundo o diretor da Sociedade Médica de Acupuntura no Paraná (Soma-PR), Mauro Carbonar, isso aconteceu porque anteriormente a acupuntura era associada apenas a efeitos psicológicos, mas hoje a ciência comprovou seus resultados. Começou ontem, na capital, o 4.º Congresso Sul-Brasileiro de Acupuntura, reunindo cerca de 250 profissionais de todo o País.

A acupuntura ganhou força depois de se tornar uma especialidade médica. Só pessoas formadas em Medicina podem clinicar, depois de participar de um curso de especialização e passar por um teste do Colégio Médio de Acupuntura. ?Hoje se conhece o efeito produzido por cada agulha colocada no corpo, conforme a região e a forma como é aplicada?, diz Carbonar. Até pouco tempo, a especialidade era usada apenas para combater a dor, mas aos poucos as pessoas foram descobrindo os outros benefícios. Ele explica que a especialidade combate todas as disfunções do corpo, evitando o aparecimento de doenças.

Hoje há 5 mil profissionais no Brasil. Na Europa, no entanto, há 62 mil profissionais. No Paraná são 400 médicos. O preço pode ser ainda outro empecilho: cada sessão custa R$ 60,00. O Sistema Único de Saúde, em Curitiba, oferece o serviço há cinco anos, mas na fila para atendimento existem 1.200 pessoas e o tempo de espera passa de seis meses.