A Cidade de Pedras será a
primeira a ser reaberta,
mas ainda não há data definida.

Há um ano fechado por questões ambientais, o Parque Estadual de Vila Velha, um dos principais pontos turísticos do Paraná, situado no município de Ponta Grossa, está mais perto de ser reaberto.

Um documento elaborado por uma câmara técnica formada pelo IAP (Instituto Ambiental do Paraná), Secretarias Estaduais do Meio Ambiente e do Turismo e Secretaria de Turismo de Ponta Grossa foi apresentado esta semana à Justiça contendo sugestões que asseguram a visitação sem agressão ao meio ambiente. São medidas que prevêem, por exemplo, a reabertura definitiva e em etapas, visitas monitoradas por pessoal treinado e cobrança de ingresso ao parque.

O secretário de Turismo e Meio Ambiente de Ponta Grossa, Álvaro Scheffer, que assumiu a pasta na última terça-feira, explica que a recepção dos turistas será feita em um Centro de Visitantes, onde as pessoas assistirão a um vídeo educativo e ganharão material impresso com informações sobre o local. “A idéia é que os visitantes tenham consciência de que estão entrando em uma unidade de conservação ambiental e, com informações sobre o que vão ver pela frente, possam aproveitar melhor a visita”, diz o secretário. No Centro de Visitantes haverá sanitários e funcionará uma lanchonete, que ainda depende de licitação.

O primeiro local a ser reaberto será da formação de arenitos, a chamada Cidade de Pedras. O trânsito dos turistas do Centro de Visitantes até os arenitos será feito em ônibus especial e com o acompanhamento de um condutor treinado. Na trilha de cerca de dois quilômetros de extensão existente nesse ponto, haverá monitores em pontos estratégicos para orientar quem estiver passando pelo local. Segundo Álvaro Scheffer, não há previsão para a abertura da Cidade de Pedras.

O mesmo ônibus levará os visitantes até a Lagoa Dourada, que deverá ser reaberto ao público somente trinta dias depois dos arenitos. Na Lagoa também haverá lanchonete e sanitários. O terceiro ponto a ser reaberto será Furnas, que não tem prazo definido para reabertura porque depende da conclusão de obras.

Preço

Ainda não está confirmado o preço do ingresso ao parque. Uma das sugestões da câmara técnica é cobrar R$ 6 por pessoa para visita à Cidade de Pedras e R$ 2 à Lagoa Dourada. O parque tem capacidade para receber oitocentas pessoas nos dias de semana e 1,6 mil nos fins de semana.

Ponta Grossa tem mais atrativos

O secretário Álvaro Scheffer espera que a reabertura do Parque Estadual de Vila Velha traga benefícios também a Ponta Grossa, com a contratação e treinamento de pessoal local e com a atração de turistas aos outros atrativos da cidade. “A região dos Campos Gerais, onde está situada Ponta Grossa, é muito interessante porque tem paisagem heterogênea, com cachoeiras e formação de capões”, destaca. Dentre as regiões citadas como de interesse turístico está a dos alagados, onde há rios, cachoeiras e grutas como o Buraco do Padre.

Estrutura

Ponta Grossa tem aproximadamente 1,2 mil leitos, distribuídos em dez hotéis, classificados pela antiga norma da Embratur; além de dois “campings” situados na zona rural. O setor gastronômico abrange aproximadamente cinqüenta a sessenta estabelecimentos classificados como restaurantes, churrascarias e pizzarias; 27 classificados como bares, chopperias e cafés e dez casas noturnas e danceterias.

O Centro de Informações Turísticas e a Amostra de Artesanato situam-se à Praça Barão do Rio Branco. Telefone:(42) 222-8193. (D.S.)