Curitiba é conhecida pela grande população de imigrantes. Por de trás de cada um deles, há uma história de superação. Como a vida de Ivan Bojko, um sobrevivente da Segunda Guerra Mundial que deixou a Ucrânia, sua terra natal, para prestar serviços forçados para a Alemanha nazista, em 1942. Após esse passado de muita luta, Ivan adotou a capital paranaense como novo lar para recomeçar a vida em paz. Refugiado, assim como tantas famílias de imigrantes que hoje vivem na capital paranaense, o ucraniano de 91 anos terá sua história contada nas telas do cinema.

Com o fim do conflito, e sem poder retornar ao país de origem que se encontrava sob o domínio russo, Ivan conseguiu chegar ao Brasil em 1948. ‘Após o fim da guerra, caso voltasse para casa corria o risco de ser fuzilado ou enviado para Sibéria. Esse era o destino de quem havia era enviado à Alemanha, mesmo contra vontade. Sem opção, nem pátria, desembarquei no Rio de Janeiro, na Ilha das Flores. Foi quando um amigo recomendou que buscasse o sul do país por causa do clima frio e por já existirem outros imigrantes‘, lembra.

Para piorar a situação, após o término da guerra, a Ucrânia passou a ser comandada pela Rússia e Ivan permaneceu 68 anos sem retornar à sua terra. Mas todas as memórias dele ficaram preservadas em um antigo diário onde ele revela o drama que uma guerra é na vida de um refugiado. Essas memórias encontraram o cineasta Guto Pasko. Decidido a contar a história do imigrante, eles retornaram ao passado de Ivan.

‘Por ter nascido em Prudentópolis, a maioria da população é descendente de ucranianos. Em 2005, gravava o filme ’Made in Ucrânia’ e conheci o Ivan. Ele mostrava como se confecciona a Bandura, um instrumento musical ucraniano. Depois da filmagem, ele me presenteou com seus diários e me impressionei com a história até que imaginei como seria levá-lo de volta à Alemanha e à Ucrânia‘, explica Guto.

Vencendo barreiras

As filmagens de “Ivan – De volta para o passado” começaram em 2010, mas apenas agora, em 2015, o filme chegará às salas de cinema. Isso porque o caminho percorrido pela produtora curitibana GP7 para lançar o filme foi árduo. ‘Quando decidimos encarar o projeto, nem avisamos ao Ivan. O filme foi produzido através da Lei do Audiovisual com patrocínio da Petrobras, mas isso leva tempo. São muitas fases para que o projeto seja aprovado‘, conta a produtora executiva Andréia Kaláboa.

Após a produção, ainda restava verba para a divulgação. ‘Através do Fundo Setorial do Audiovisual garantimos o dinheiro para fazer a divulgação e distribuição do filme em algumas salas de cinema‘, diz. Em Curitiba, “Ivan” será exibido nas salas do Espaço Itaú de Cinema e no Cine Plus do Shopping Jardim das Américas, dia 26 de novembro.

Emocionante

Em Curitiba, o ucraniano criou nova família. Na viagem ao passado, suas duas filhas o acompanharam. Mas a principal expectativa de Ivan era reencontrar a irmã. ‘Os alemães começaram a selecionar nas aldeias famílias que tinham mais de uma criança. Uma era obrigada a partir com eles. A gente não podia se defender, mas eu me coloquei no lugar de minha irmã. Quando fui levado, se dizia que a Ucrânia nunca mais existiria. Mas pude rever meus parentes, não há palavras para descrever, apena um sentimento muito forte que não se apaga‘, desabafa Ivan. Mesmo com o sacrifício dele, anos mais tarde sua irmã, que tinha 18 anos a última vez em que se viram, foi morta pela soviética KGB. No filme, o ucraniano reencontra sua irmã caçula, que tinha apenas 12 anos de idade quando ele foi à guerra “fo,rçado”, aos 22 anos.

Serviço:

Filme “Ivan – De volta para o passado”
Estreia 26/11
Espaço Itaú de Cinema e Cine Plus Shopping Jardim das Américas