Arquivo
Descoberta do composto hidroxila na atmosfera venusiana permitirá aprofundar estudos sobre o planeta.

São Paulo – A sonda Venus Express acaba de ajudar cientistas que participam do projeto a detectar a presença de um importante radical químico na atmosfera venusiana. A hidroxila, formada por um átomo de hidrogênio e um de oxigênio, foi identificada a cerca de 100 quilômetros da superfície de Vênus por meio do Virtis, espectrômetro instalado na sonda. Segundo os responsáveis pelo estudo, a descoberta será importante para compreender o funcionamento da densa atmosfera do planeta.

Elusivo, o radical foi detectado após os integrantes da missão terem apontado o instrumento não para Vênus, mas para uma pouco visível camada da atmosfera em volta do planeta. A hidroxila foi identificada por meio da medição da luz infravermelha dispersa pela camada.

A faixa da atmosfera na qual o composto está presente é muito fina, com apenas dez quilômetros de largura. A descoberta será descrita na edição de 1.º de junho da revista Astronomy & Astrophysics Letters.

De acordo com os pesquisadores, a hidroxila é muito importante para a atmosfera de um planeta por ser altamente reativa. Na Terra, ela tem um papel fundamental na eliminação de poluentes da atmosfera. Em Marte, suspeita-se que a hidroxila ajude a estabilizar o dióxido de carbono na atmosfera, evitando que se transforme em monóxido.

Na Terra, estima-se que o brilho promovido pela hidroxila na atmosfera esteja intimamente relacionado com a abundância de ozônio. Segundo os pesquisadores da Venus Express, o mesmo deve ocorrer na atmosfera venusiana. ?A Venus Express tem nos mostrado que Vênus é muito mais parecido com a Terra do que imaginávamos. E a detecção de hidroxila é mais uma mostra dessa similaridade?, disse Giuseppe Piccioni, do Instituto de Astrofísica Espacial e Física Cósmica, na Itália, e principal investigador do Virtis.

O radical já foi identificado ao redor de cometas, mas com um método de produção completamente diferente do que ocorre nos planetas. ?Como a atmosfera venusiana não foi estudada extensivamente até a chegada da Venus Express, não tínhamos como confirmar a maior parte do que nossos modelos diziam. A observação do que realmente está ocorrendo nos ajudará a refinar nossos modelos e a aprender muito mais sobre o planeta?, disse Piccioni.