A Política de Desenvolvimento Econômico do Paraná (PDE), lançada pelo governo do Estado, vai destinar R$ 3,2 milhões para ampliar os investimentos em pesquisas e estudos realizados pelo Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento (Lactec). Esta é a primeira vez que o Lactec participa ativamente de um plano de política integrada do Governo do Estado.

Os recursos fazem parte de um investimento total de R$ 18,2 bilhões previstos pela PDE, o ?PAC do Paraná?, e que vão ajudar econômica e socialmente todas as regiões do Paraná, em especial as de baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

De acordo com o diretor-superintendente do Lactec, Aldair Rizzi, os investimentos vão ajudar a ampliar o desenvolvimento do Paraná. ?Essa parceria é emblemática porque há muito tempo o Lactec buscava integração definitiva nas políticas públicas do Estado. Desde 2003, o Governo Requião busca consolidar um sistema de ciência e tecnologia no Paraná, agregando esforços com os institutos e universidades para o desenvolvimento dessas áreas?, afirma.

Rizzi lembra que a participação do Lactec na PDE reflete a intenção do Governo do Estado de dar prioridade às inovações tecnológicas no Paraná. ?Entre outros projetos contemplados e que ficarão a cargo do desenvolvimento técnico e científico do Lactec, estão os de energias alternativas, como o mapeamento do potencial eólico e a possibilidade da criação de um centro dessa nova tecnologia no Paraná, em parceria com a Copel?.

Ele lembra também do projeto Chip do Boi, que conta com a parceria da Secretaria de Agricultura e do Abastecimento. ?Esse é um projeto de rastrebalidade do rebanho bovino do Paraná. Com esta tecnologia será possível criar um mecanismo novo para o controle de qualidade da bovinocultura?, explica o superintendente.

Os recursos destinados ao Lactec contemplam ainda projetos destinados a pesquisas para produção de energias alternativas, entre eles a implantação de biodigestores para produção de biogás a partir de resíduos de eqüinos.

O Lactec é um centro de pesquisas tecnológicas que tem como associados o Governo do Paraná – representado pela Companhia Paranaense de Energia (Copel) – a Universidade Federal do Paraná (UFPR), a Federação das Indústrias (Fiep), a Associação Comercial (ACP) e o Instituto de Engenharia do Paraná (IEP).