Um sinal químico disparado de uma célula para outra normalmente é transportado por meio de uma proteína. Mas cientistas brasileiros conseguiram demonstrar que a comunicação intercelular também pode ser feita por meio dos lípideos. “É um conceito absolutamente novo. Podemos mostrar que a transferência de informação pode acontecer também por meio de ácidos graxos, colesterol e fosfolípides”, afirma Rui Curi, professor do Laboratório de Fisiologia Celular e Nutrição da Universidade de São Paulo (USP). O grupo de pesquisa paulista participa do projeto “Transferência Intercelular de Lípides”, que está comemorando cinco anos. “O objetivo do projeto foi estudar os motivos pelos quais os lípides interferem nas funções das células”, explicou Curi. Ao analisarem o efeito isolado dos ácidos graxos no organismo, os pesquisadores conseguiram identificar quando essas substâncias interferem no sistema fisiológico humano. Para o cientista da USP, está claro que os ácidos graxos podem modular a resposta aos hormônios.