Economia, eficiência e transparência. Estas são as principais vantagens do sistema de compras pela internet criado pela Prefeitura de Curitiba há um ano, chamado de ?e-compras?. Curitiba foi uma das primeiras cidades brasileiras a usar a tecnologia digital para comprar material de escritório, remédios e até o cafezinho servido aos funcionários.
O sistema forçou a redução dos preços entre os fornecedores, e a economia média tem sido de 25% em cada compra. Desde julho do ano passado foram realizados quase 500 pregões ? o mesmo número de fornecedores cadastrados.

Antes do sistema de pregão eletrônico, adotado para compras de valor total até R$ 8 mil, os funcionários da Secretaria Municipal de Administração precisavam ligar para todos os fornecedores para avisar que a compra seria feita. Cada um deles elaborava sua proposta e mandava por fax para a Prefeitura. Todas as informações tinham que ser digitadas e só então era possível escolher o melhor preço e fazer a compra.

Agora na página de internet do ?e-compras? (
http://e-compras.curitiba.pr.gov.br), o fornecedor faz o cadastro para participar dos pregões virtuais, fica sabendo da data e do horário e participa pela internet sem sair do escritório. No máximo em meia hora ele fica sabendo se ofereceu o melhor preço, ou qual foi a empresa que conseguiu fazer a melhor oferta.

?As compras pela internet são mais abertas e simples. É bom para os fornecedores, que se cadastram e participam do pregão facilmente, e é melhor ainda para a Prefeitura, porque a competição sempre resulta em economia?, afirmou o gerente de integração técnica do Instituto Curitiba de Informática (ICI), Antônio João Pires de Lima, que participou do desenvolvimento do sistema de compras eletrônicas.

O e-compras tem a aprovação dos fornecedores. “O processo ganhou agilidade e transparência”, disse Cláudio Florêncio, proprietário da Florêncio e Luz ? Suprimentos para Informática, que participou de cerca de 100 pregões e ganhou em 80% deles. Ele é fornecedor da Prefeitura há mais de dois anos e, antes da implantação do e-compras, candidatava-se nos processos de aquisição de material por carta convite.

Para ele, o novo sistema traz vantagens para os dois lados. “A Prefeitura ganha no preço e os fornecedores têm mais comodidade, porque podem fazer sua oferta sem a necessidade de deslocamentos”, disse Florêncio. Segundo ele, os pregões obrigam os participantes a reduzir a sua margem de lucro para saírem vencedores. As ofertas são feitas on-line, e os participantes, embora não conheçam a identidade dos concorrentes, costumam ir baixando os preços no decorrer do processo.