Um grupo de cientistas do Smithsonian Institute de Washington, nos Estados Unidos, descobriu que o homem produzia pão a partir de um tipo de farinha desconhecida, 12 mil anos antes do surgimento da agricultura. Segundo a pesquisa, publicada na revista científica Nature, o homem começou a fazer pão há 22 mil anos. Os especialistas descobriram nas margens do mar da Galiléia, em Israel, a evidência de grãos de milho selvagem e de outras sementes, que eram utilizadas para a produção do pão. Após a descoberta, concluiu-se que os homens aprenderam a cultivar e processar cereais selvagens muito antes do surgimento do cultivo organizado por populações primitivas. Dolores Piperno, líder da pesquisa, disse que o descobrimento foi feito ao se encontrar uma antiga cidade submersa no mar da Galiléia, com objetos bem preservados como vasilhas e pedras utilizadas para moer os grãos, além de algumas pedras para assar o pão. A última evidência comprovada da produção de pão pelo homem era de 10 mil anos atrás, como conseqüência de várias descobertas de sítios arqueológicos no Oriente Médio.