Só em Curitiba, há pelo menos 25 casas.
Público-alvo são adolescentes da classe média.

Pergunte a um adolescente de classe média, com idade entre 12 e 17 anos, o que é uma Frag Night. Ou então, questione sobre o Counter Strike. Se ele mora em Curitiba, ou em qualquer outra grande cidade, dificilmente não saberá responder. As lan houses – casas de jogos de computador em rede – são o novo reduto da meninada e já somam pelo menos 25 unidades, espalhadas principalmente pelos bairros mais nobres da cidade. O que faz das lan houses um grande sucesso é o fato de os participantes lutarem entre si, e não contra uma máquina, como é a maioria dos jogos de computador.

“Os adolescentes querem ter algo social. É um jogo, assim como era o futebol de antigamente”, compara o gerente da lan house Gate 7 do bairro Cabral, Marcos Vinícius Araújo Neves. Segundo ele, a faixa etária é de 15 a 20 anos, mas o local recebe clientes de até 12 anos de idade ou menos, desde que acompanhados dos pais. Segundo Neves, garotos de 12 a 17 anos têm que ter autorização dos pais para freqüentar a casa.

Entre os jogos mais procurados, o Counter Strike é o que ganha a preferência. Trata-se de um jogo com tema atual – terrorismo – que pode envolver até 32 participantes ao mesmo tempo. O Battle Field, ambientado na Segunda Guerra Mundial, também tem vários adeptos.

O problema, no entanto, é quando o jogo se torna um vício, e o adolescente não hesita em matar aula para ficar horas em uma dessas batalhas. “É inevitável que alguns alunos venham, alguns até sem uniforme. Aliás, já vieram professores de uma escola, preocupados com o que tinha na casa. Conversaram com a gente e viram que não há problema algum, são apenas jogos”, comentou Neves. A hora de jogo na Gate 7 é R$ 4,00.

Saturado

Para o sócio-proprietário da Unity Lan House, Bruno Almeida Pereira de Souza, 20 anos, o mercado de lan em Curitiba já está saturado. “Há pelo menos 25 casas. No sábado à tarde e domingo, todas elas estão lotadas, há filas. Mas durante a semana, o movimento não é tão grande”, diz. Segundo ele, a Unity – inaugurada há quatro meses e meio -recebe cerca de vinte pessoas à tarde. “Logo que abrimos, havia mil cadastros. Mas não são todos que vêm direto.” A faixa etária da Unity é de 12 a 16 anos de idade, e o preço da hora é R$ 3,00. Em Curitiba, a primeira lan house que surgiu – a Arena Network – foi inaugurada há quase três anos.

Amizade

Para grande parte dos adolescentes, é a amizade que mais pesa nos jogos de computador em rede. “Tenho computador em casa, mas não é a mesma coisa. O que mais gosto mesmo é das amizades que faço nos jogos”, conta Daniel Gustavo Mendes, 15 anos, que freqüenta as lan houses há quase dois anos. Daniel conta que já chegou a ficar 12 horas em frente ao computador durante uma Frag Night – Noite de Matança – que se estende até às 6h da manhã .

“Dá para jogar com bastante gente”, completa Marco Freinberger, 16 anos. Ele conta que já foi viciado no jogo, a ponto de ficar o dia inteiro em uma lan house, mas agora se diz mais controlado. “Minha mãe reclama, mas tudo bem.”

Vitor Saldanha, 14 anos, diz que fez um acordo com os pais: prometeu tirar notas altas na escola para poder continuar frequentando as lan houses. “Venho três dias por semana e fico cerca de três horas por dia”, conta. “Aqui é melhor do que em casa, porque joga-se contra outra pessoa e não uma máquina.”