É bom ficar mais esperto com pessoas que fazem você dar risada. Segundo Helga Kotthoff, da Universidade Frieburg, Alemanha, o humor é um ato de agressão, pois fazer o outro rir confere um grau de controle que pessoas dominantes exploram para mostrar que estão no comando.

“Manifestar humor significa ter o controle da situação daqueles que estão em uma hierarquia mais elevada e isso é um risco para pessoas em condição menos elevadas, antes de 1960 as mulheres raramente faziam outras pessoas rirem – elas não podiam se dar ao luxo”, explica.

De acordo com Helga, comédia e sátira são baseados na agressividade e não são legais. “Até 1960 não era elegante para uma mulher ser engraçada. Mas até agora mulheres preferem contar piadas às suas custas e homens preferem contar piadas às custas dos outros”.

A diferença entre homens e mulheres na habilidade de ser tornarem comediantes começa muito cedo. Meninos entre a idade de quatro a cinco contam mais piadas, fazem brincadeiras e palhaçadas, enquanto as meninas só dão risada. Com o passar do tempo, a mulher passa a ser mais engraçada, pois se sente mais livre não sendo vista como dama.

Até a revolução sexual de 1960, mulheres raramente faziam comédia em público ou em local privado, porque o humor era um ato de agressão. “Um estudo no final de 1980 mostrou que homens usavam piadas de cunho sexuais como uma forma de despir verbalmente uma mulher que refutasse sua investida; o humor dele era agressivo na essência. Porém, ambos usam como forma de controle”, completa. O estudo foi publicado no Journal of Pragmatics.