Pesquisadores conseguiram acelerar fótons (as partículas da luz) a uma velocidade ainda maior do que a da luz, simplesmente colocando uma camada de matéria a sua frente.

Esse experimento conseguiu demonstrar o que físicos quânticos já diziam – a velocidade com que a luz atravessa materiais simples, como o vidro, não depende da espessura dos mesmos, mas da ordem em que eles estão colocados.

Para você entender melhor: a luz sempre viaja na sua velocidade máxima no vácuo ou no espaço vazio e essa velocidade diminui quando ela precisa atravessar um material, como água ou vidro. E isso também funciona quando a luz precisa “viajar” em uma pilha ou em materiais dielétricos, que são usados para criar estruturas reflexivas que formam a cobertura de espelhos e fibras ópticas.

O experimento consistia em pilhas feitas com 30 camadas dielétricas (cada uma com 80 nanômetros de espessura). As camadas eram alternadas entre uma com alto índice de reflexão e outra com baixo índice. Quando um fóton atinge essas camadas ele tem uma grande chance de ser refletido e outra pequena chance de atravessar o sistema.

Quando encontravam um sistema de 30 camadas, a velocidade dos fótons era 12,84 quadrilhões de segundo. Já quando uma única camada era adicionada a esse sistema, a velocidade aumentou para 16,36 quadrilhões de segundo.

No entanto, essa medição funciona para um único fóton do sistema. Quando todos os fótons são incluídos no experimento e é feita uma média de suas velocidades o foi apurado que a velocidade deles não é maior do que a da luz.

Fonte: Fótons são observados em uma velocidade maior do que a da luz.