No segundo trimestre deste ano, o número de domínios no mundo atingiu a marca de 82,9 milhões, o que representou um crescimento de 28% em relação ao mesmo período de 2004. O dado é da empresa Verisign, que publicou relatório trimestral do setor de domínios. Segundo a gerente de Marketing e Estratégias de Negócios para a América Latina da Verisign, Érica Saito, 8,1 milhões de novos domínios foram registrados no segundo semestre, o que indica que há muitas pessoas registrando o seu primeiro domínio agora. Se comparado com o mesmo período de 2004, verifica-se um crescimento de 63% de novos domínios.

São vários os motivos de crescimento. Um deles, assinala Érica, é a natural expansão da internet. Segundo ela, as regiões que possuem mercado de internet em desenvolvimento vêm contribuindo para o crescimento. Ela diz que na América Latina a quantidade de domínios aumentou em 52%, em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

De acordo com Érica, parte do crescimento vem acontecendo também por causa do mercado de publicidade on-line, principalmente em sua modalidade Pay-Per-Click (PPC). Nesse modelo, anunciantes pagam uma determinada quantia toda a vez que alguém clica em seu link publicitário que esteja sendo exibido num site.

Esses sites de conteúdo podem utilizar programas como Google?s AdSense, e o recente  Yahoo Search Marketing?s Content Match, para inserir os links publicitários, dividindo a receita gerada com as empresas que disponibilizam os softwares. Érica explica que isso tem funcionado porque os links de anúncios são relacionados a sites num mesmo contexto. ?Esses sistemas do Google e do Yahoo! relacionam as páginas de internet às palavras-chaves associadas aos links publicitários?.

Érica afirma que é comum, em países mais avançados no mercado de internet, pessoas registrarem domínios, construírem sites com conteúdo não muito elaborados e utilizarem links de anúncios para gerarem receita. ?A evolução do mercado de publicidade on-line vai de encontro ao registro de domínios. São dois mercados que estão se cruzando?, diz.

O relatório da Verisign indica que o valor médio pago por clique nos Estados Unidos é de aproximadamente US$1,72. Porém os preços podem variar bastante. Anúncios relacionados a palavras-chave como ?home equity loan? – empréstimo garantido por hipotecas de residências – podem custar mais de US$15 por clique, enquanto que o termo ?shoes? – calçados – custam US$0,59 ao anunciante. Érica explica que o mercado de publicidade contextualizada é forte em países com maturidade no mercado de internet. No Brasil, diz ela, a exploração de links patrocinados está apenas começando. ?Mas deve crescer mais agressivamente agora?, afirma.

Gerando receita

Segundo o relatório da empresa, a previsão de crescimento de receita com publicidade on-line é de 34% em 2005. O aumento deve ocorrer por causa da conquista de fatias das mídias tradicionais. De acordo com a Verisign, o tempo que a maioria das faixas etárias passam em frente ao computador já se iguala ao tempo dedicado em assistir à televisão e esse fato faz analistas preverem que os investimentos sigam o comportamento dos usuários.

Porque registra

A Verisign afirma que 75% dos domínios são efetuados por empresas, 22% por pessoas físicas e os 3% restantes por fontes desconhecidas. Ressalta ainda que a maioria das empresas registradas acredita que a internet contribuiu para a melhoria dos negócios. ?Os europeus, com 71%, foram os que perceberam mais intensamente essa contribuição, seguidos pelos asiáticos, com 67%, e pelos norte-americanos, com 58%?.

Em todas as regiões, de acordo com a pesquisa, aproximadamente 71% dos registradores de domínio corporativos ou consumidores pretendem renovar seus endereços de internet. Érica afirma que o domínio próprio estabelece uma imagem profissional e serve também para proteger o nome corporativo ou profissional. Segundo o relatório da Verisign, as razões levantadas por aqueles que não pretendem renovar seus domínios incluem o custo envolvido na criação e manutenção de web site e a interrupção de uso do endereço.

90% dos registros brasileiros são .br

Cerca de 90% dos registros de endereços de internet feitos no Brasil estão embaixo da denominação .br, afirma Demi Getschko, membro de Comitê Gestor da Internet (CGI) no Brasil. Segundo ele, existem mais de 808 mil br no País, o que coloca o Brasil entre os que mais possuem nomes de domínio de nível superior de código de País (ccTLDs), ficando atrás somente de poucos países, entre eles, Alemanha, Inglaterra e Itália.

Getschko afirma que um dos cuidados do CGI é de identificar os donos dos domínios através de documentos, como CNPJ e CPF, para que seja possível um rastreamento, algo que distribuidores de outros endereços não fazem. ?Nos ?genéricos?, o usuário pagou, tem seu domínio. No Brasil não podíamos fazer isso. Nosso sistema ficou bom, de modo que os usuários não migraram para outras denominações?.

Getschko chama a atenção para o fato de que os usuários têm procurado estabelecer a relação dos códigos na escolha de domínios. ?Assim, apesar de não serem obrigados, sob a denominação eng.br, você encontra engenheiros. A mesma coisa acontece com outras categorias. Se você prestar um serviço de qualidade para cada grupo ter sua identidade sob o .br, os usuários vão continuar aderindo?, afirma. Ele diz também que o CGI procurou manter a semântica dos códigos, de modo que abaixo de .org.br, por exemplo, estejam as entidades sem fins lucrativos e nos endereços .net.br, aqueles que estejam relacionados à redes de computadores.

Hoje, os domínios .com são 47% de todos os registrados. Juntos os ccTLDs – como o alemão .de, o chinês .cn e o brasileiro .br – totalizam 35%, seguidos pelo domínio .net, com 7%. (RD)