Físicos dizem terem sintetizado o elemento 117, a última descoberta na busca pelos elementos superpesados de laboratório.

Cientistas da Rússia conseguiram juntar o cálcio-48 (um isótopo com 20 prótons e 28 neutrons) e o berkelium 249 (que tem 97 prótons e 152 neutrons) criando dois isótopos diferentes de um elemento com 117 prótons.

A maioria dos elementos mais pesados do que o urânio, que tem 92 prótons, não existem estavelmente na natureza e precisam ser criados em laboratório. O próprio berkelium é um elemento raro criado em laboratório – e os cientistas russos conseguiram apenas 22 gramas dele para o experimento.

Como não é estável, o elemento possui uma vida de78 milisegundos.
O novo elemento, que ainda não foi batizado, ocupará um buraco na tabela periódica, entre os números 116 e 118, que já foram descobertos. Esses elementos superpesados são, normalmente, radioativos e se extinguem quase instantaneamente.

Por enquanto o elemento é conhecido como Ununseptium, mas ele receberá um novo nome se sua existência conseguir ser reconhecida pela comunidade científica.

Fonte: Elemento superpesado é descoberto e preenche buraco na tabela periódica.