Christian Hallot, embaixador da H. Stern no Brasil, conversou com o MeiaFina. Entre uma dica de uso e outra, ele explicou quanto tempo dura uma jóia, qual é a tendência dessa temporada e, de quebra, nos ensinou quais são os cuidados que devem ser tomados na hora de comprar uma peça.

Tudo isso em três perguntas.

MeiaFina – Se jóias seguem tendências, qual é a moda da vez?

Os colares grandes estão em voga. O que é uma mudança considerável para a figura feminina. Porque o colar denota sensualidade. E os modelos mais longos fazem isso de maneira ainda mais marcante porque acompanham a curva do corpo da mulher, sua sinuosidade, e terminam sobre o umbigo, ou próximo a ele. Isso é muito diferente da sensação de poder passada pelo brinco, pela pulseira e, principalmente, pelos anéis grandes. Outra tendência é a volta do ouro amarelo que aparece sozinha, misturado ao outro branco ou numa tonalidade intermediária.

MeiaFina – Quais são as dicas mais importantes para quem quer usar uma jóia?

É preciso saber aonde e quando usar a jóia certa. No trabalho, por exemplo, é sempre melhor usar peças discretas, em acabamento de ouro polido, que não ofuscam os colegas. Agora, se a mulher tiver um cargo de negociadora, de tomadora de decisões, é bom usar um grande anel que demonstre esse poder. Já os coquetéis são o tipo de ocasião em que sempre é melhor optar pelas peças grandes, ricas e repletas de diamantes ou pedras. Em especial anéis, colares e brincos. Porque nesses eventos as pessoas ficam em pé, conversando em grupos e segurando taças ou copos. Ou seja, o foco dos olhares se concentra na parte superior do corpo. Existe um anel chamado cocktail ring, criado para esses eventos. Esse anel é sempre muito grande e poderoso, para ser usado no dedo indicador da mão que segura a taça.

MeiaFina – Quais detalhes devem ser considerados na hora de comprar uma jóia?

São três os aspectos principais. Primeiro, dar preferência às joalherias de renome, que dão garantia das jóias e certificado de procedência. Em lugares assim, mais do que peças belas, encontram-se peças confortáveis. Porque de nada adiante pagar caro por um brinco que vai pesar na orelha. Quem compra jóias também deve entender que nesse setor não existem modismos. As tendências são de longo prazo e mudam a cada década. Nos anos 90, a tendência era o minimalismo e havia pouco uso de cor. Na virada do milênio, as peças começaram a crescer e foram ficando mais coloridas. Mas, isso não significa que uma jóia de dez anos atrás não pode ser usada agora. Há peças consideradas atemporais e elas têm desenhos clássicos. É sempre bom ter um modelo assim. Por último, é preciso buscar conceito nas peças e descobrir mais sobre elas. A mulher ficará mais interessante e bonita se souber um pouco da história da peça, da pedra, ou o que serviu de inspiração para o seu desenho.