A vitória do Flamengo sobre o Bangu na estreia de Pedrinho com a camisa rubro-negra aconteceu num momento especial. O time estava sem técnico, Flávio Costa havia caído e o interino Newton Canegal assumiu. Foi nesta fogueira que Pedrinho saiu direto dos aspirantes, entrou e deu conta do recado. O cronista, dramaturgo e romancista Nelson Rodrigues em sua crônica “O Verdadeiro Flamengo” escreveu na edição dominical do Jornal dos Sports: “Agora abro um parênteses para falar de uma novidade rubro-negra. De repente, rompeu no Maracanã, um tal de Pedrinho. Desde sua primeira intervenção, sentiu-se que havia entre ele e a bola mil e uma afinidades, mil e uma compreensões. E o pior vocês não sabem. Esse Pedrinho, até ontem, solidamente desconhecido, não é bem extrema ou, por outra, ele se improvisou em extrema, para tapar um buraco. E aí está a graça do futebol moderno. O grande jogador de nossos dias é aquele que saber fazer tudo”.

Nelson Rodrigues disse mais: “Pedrinho foi lançado na ponta. E jogaria com o mesmo brilho, com o mesmo dinamismo, até de gandula. Sim, ele fez coisas típicas de um extremo nato e hereditário. Influiu no jogo e concorreu para a vitória. Aliás, a equipe inteira moveu-se de maneira harmônica e raçuda, sobretudo no primeiro tempo. Por exemplo: Silva. Teve uma grande presença em campo. É um jogador de metier e cheio de iluminações. Fez um belo gol. Amigos, embora sem modificações profundas, é justo falar-se em um novo Flamengo”.

A partida foi tratada como nova fase na vida do clube da Gávea. “Ao sair do estádio, o colega Marco Aurélio estava transfigurado”, disse Nelson Rodrigues. “Do seu lábio pendia a baba elástica e bovina do deslumbramento. Pois o Marco Aurélio vem para mim e soluça o apelo: Diz que é a ressurreição do Flamengo. Eu estava vendo a hora em que o confrade ia sentar-se no meio-fio para chorar lágrimas de esguicho”, continuou o cronista. “Mas pergunto: o rubro-negro mereceu esta apoteose do Marco Aurélio? Na minha opinião, sim. Vocês se lembram do Flamengo das últimas exibições. Parecia muitas vezes o anti-Flamengo. E, ontem, o que vimos em campo foi um rubro-negro potencializado, sim, um rubro-negro em furiosa plenitude. Não houve nada que lembrasse aquele time sem personalidade, sem elan, que perdia antes da derrota. Como explicar esta alma ardente que de repente baixou sobre a equipe da Gávea”.

Mas não foi apenas Nelson Rodrigues que reverenciou a estreia de Pedrinho no Flamengo. Em sua matéria principal, o Jornal dos Sports deu de manchete: “Pedrinho exibe como joga um ótimo extrema”. E sobre a atuação do jogador, o jornal afirmou: “Pedrinho foi autor das melhores jogadas da partida, sem ser ponta ensinou como deve agir um bom extrema. Veloz, inteligente e objetivo, ele realizou duas jogadas perfeitas, colocando a bola na frente do gol para a conclusão. No lance do primeiro gol, estava impedido, mas investiu com tanta perfeição que a falha do bandeirinha não atinge o mérito do gol”.

Pedrinho foi personagem do “Anjo Pornográfico” após sua estreia no Rio. Foto Ciciro Back.