Fechar busca

Paraná

Justiça do Trabalho proíbe barulho na frente de hotéis

Ou seja, ficam proibidas as manifestações que configurem ameaça ao trabalho

  • Por Paula Weidlich

A greve dos funcionários de bares, restaurantes e hotéis de Curitiba iniciada na última sexta-feira (29) continua, mas agora as manifestações estão sujeitas a regras. Por determinação da 21.ª Vara de Trabalho de Curitiba, do Tribunal Regional do Trabalho – 9.ª Região, foi concedido um interdito proibitório em favor do sindicato patronal. Ou seja, ficam proibidas as manifestações que configurem ameaça ao trabalho, que atrapalhem o normal funcionamento ou que impeçam a locomoção de empregados, clientes e fornecedores dos estabelecimentos do setor de hospedagem e gastronomia.

A realização de piquetes ainda é permitida, mas os grevistas não devem agir com violência e nem fazer barulho em frente aos estabelecimentos. Caso as manifestações descumpram a determinação judicial, o sindicato dos funcionários fica sujeito a uma multa diária de 30 mil reais.

Segundo Fabio Aguayo, presidente da Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar), esta medida foi tomada para proteger os clientes e os vizinhos dos transtornos causados pelos piquetes realizados em frente aos hotéis e restaurantes da capital. Aguayo afirma que a greve não tem causado falta dos funcionários ao trabalho, já que a adesão seria inferior a 1% dos trabalhadores. O presidente da Abrabar ainda acusa o sindicato dos trabalhadores de estar utilizando mão de obra terceirizada nas manifestações, já que quem atua no setor não deixaria de trabalhar em função das gorjetas conquistadas no dia-a-dia.

Em relação às manifestações, o sindicato patronal ainda orienta os estabelecimentos que filmem ou fotografem qualquer ação e se necessário, chamem a polícia para garantir o cumprimento da ordem judicial.

Trabalhadores rebatem

O Sindicato dos Trabalhadores no Comércio Hoteleiro, Meios de Hospedagem e Gastronomia de Curitiba e Região (Sindehotéis) por meio de seu presidente Luís Alberto dos Santos, informa que não houve avanço nas negociações ontem. Ele afirma que a greve está dentro da legalidade e que os trabalhadores vão continuar de braços cruzados até que os patrões aceitem negociar melhores condições, como salário acima do piso estadual, que é de R$ 914,82.

O Sindehotéis também rebate as acusações de que pessoas terceirizadas estariam participando dos piquetes. Segundo o sindicato, todos os grevistas são trabalhadores com carteira assinada e a greve teria apoio de 40% dos 15 mil funcionários do setor em Curitiba. Caso não haja acordo, o caso pode ser decidido pela Justiça com dissídio coletivo.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas