enkontra.com
Fechar busca

Curitiba e Região

Vai subir!

Quase metade dos imóveis de Curitiba pode ser afetada com novas regras da taxa de lixo

  • Por João Frey - Gazeta do Povo
Quase metade dos imóveis da cidade pode ser afetado com a mudança. Foto: Jonathan Campos

Os vereadores de Curitiba aprovaram nesta segunda-feira (18), em primeira votação, mudanças nas regras de cobrança da taxa de lixo. O projeto, que faz parte do pacote de ajuste fiscal enviado pelo prefeito Rafael Greca (PMN) à Câmara Municipal no fim de março, desvincula a cobrança da taxa de lixo do IPTU. Dessa forma, quem tem alguma isenção ou abatimento do IPTU que limita o valor da taxa de lixo passa a pagar o valor integral da taxa relativa ao serviço de coleta e limpeza pública.

O projeto foi aprovado com 31 votos favoráveis e dois contrários. Pouco antes do início da sessão, o vereador Pier Petruzziello (PTB), líder do governo, apresentou uma emenda que previa que quem hoje é isento pagaria apenas 50% da taxa. Entretanto, a medida sofreu resistências dentro da própria base e foi retirada. A expectativa é que, nesta terça-feira (19), quando o projeto for analisado em segundo turno, uma nova emenda seja apresentada para beneficiar cidadãos proprietários de imóveis de até R$ 140 mil.

Com a mudança, a expectativa da prefeitura é aumentar em 60% o valor arrecadado com a taxa, que para 2017 é estimado em R$ 136 milhões. No ano que vem, caso a mudança seja aprovada, este valor salta para R$ 220 milhões.

Quem vai ser afetado

A estimativa é que a mudança proposta pela prefeitura e aprovada pelos vereadores afete quase metade dos imóveis de Curitiba. Atualmente, cerca de 100 mil imóveis não pagam taxa de lixo e passarão a pagá-la a partir de 2018; outros 343 mil terão acréscimo no valor porque gozam de algum tipo de abatimento no IPTU. O número de imóveis afetados pela medida representa 51% das 868 mil unidades imobiliárias da cidade.

O valor da taxa de lixo está fixado em R$ 275,40 para imóveis residenciais e R$ 471,60 para os não residenciais. Portanto, qualquer imóvel que pagou um valor menor que a taxa integral em 2017 será impactado pelo aumento em 2018.

“Se o IPTU do imóvel tem um valor menor que a taxa de lixo, ele vai pagar a taxa de lixo completa, mas continua pagando o IPTU reduzido. Isso vale também para aqueles imóveis que não contribuem. Então, por exemplo, igrejas e templos passam a contribuir para a taxa de lixo para deixar a conta mais equilibrada”, explicou o secretário municipal de Finanças, Vitor Puppi, quando o projeto foi enviado à Câmara Municipal.

Na avaliação da prefeitura a medida deve diminuir o déficit de mais de R$ 110 milhões que há na coleta de lixo. Para fechar a conta, este valor sai, anualmente, em forma de subsídio, dos cofres municipais.

“A prefeitura sempre faz o subsídio da taxa. Esse subsídio vai continuar existindo, mas vai ser menor”, afirmou Puppi.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

7 Comentários em "Quase metade dos imóveis de Curitiba pode ser afetada com novas regras da taxa de lixo"


República do Paraná
República do Paraná
4 meses 5 dias atrás

É mais do que justo, dado a quantidade de domicílios residenciais, comerciais e entidades “sem fins lucrativos” isentas da taxa de coleta de lixo. Pois, o lixo gerado trata-se do resultado do respectivo consumo de cada um. Então, era necessário uma forma isonômica de cobrança.

BRASILEIRO
BRASILEIRO
4 meses 5 dias atrás

100 mil imóveis gerando lixo e eu pagando a conta. quem geral lixo tem que pagar pela remoção do mesmo inclusive na região rural dos municípios.

Andre
Andre
4 meses 5 dias atrás

“A prefeitura sempre faz o subsídio da taxa.” A prefeitura não é empresa, não gera riqueza, logo não subsidia nada, ela apenas pega nosso dinheiro e aplica errado, nós curitibanos pagamos por tudo, direta e indiretamente, e as vezes mais de uma vez pela mesma coisa.

cesar cesar
cesar cesar
4 meses 5 dias atrás

é isso aí tigrada, acabou a mamata.

Exterminador
Exterminador
4 meses 5 dias atrás

Certíssimo. Os que não pagavam são os que mais geram lixo orgânico e garanto que nem 10% separam o reciclável. Tem que cobrar igual de todo mundo. O mais certo seria cobrar pelo peso, mas aí não tem como controlar. E por que igreja não pagava? Devia pagar o dobro, pois tem o que de diferente?

fernando
fernando
4 meses 5 dias atrás

Tá corretíssimo a prefeitura. Os que não pagavam são mais geram lixo a maioria nem o lixo reciclável separa. Por isso que tem que cobrar de todo mundo mesmo. Quanto as igrejas evangélicas principalmente tem que pagar a taxa de lixo também, também gera lixo orgânico!!

Nelson
Nelson
4 meses 5 dias atrás

Aos dois que me antecederam gostaria de questioná-los de onde tiraram a informação de que igreja não paga taxa de lixo?

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas