Fechar busca

Curitiba e Região

Cena forte

Jovem desaparecida é encontrada morta em local conhecido por desovas

Local é afastado e não dá pistas para a polícia inicias as investigações

  • Por Lucas Sarzi

O corpo de um moça*, identificada como Fabiane Hilário, de 20 anos, foi encontrado por um morador que saiu para trabalhar e passou pela Estrada do Caximba, próximo a BR-116, na manhã desta quarta-feira (27). A jovem, estava bem vestida, usava um relógio no pulso e tinha ferimentos na cabeça.

“Saí de casa no caminho e vi de longe a jaqueta preta. Ao me aproximar, pensei que era um saco de lixo e, quando cheguei mais perto, pensei que era um bêbado caído, mas aí vi o sangue, uma cena forte”, contou o morador.

Logo que percebeu que se tratava de uma moça morta, o homem se afastou do corpo. Ele chamou a Polícia Militar, que isolou a área até a chegada da perícia do Instituto de Criminalística e dos policiais da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

A jovem estava bem vestida com uma jaqueta preta, uma camiseta de manga comprida branca, calça jeans azul e tênis preto. Além disso, ela usava, no braço esquerdo, um relógio dourado. Fabiane morava em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, e estaria desaparecida desde terça-feira (26). O motivo do crime ainda não foi informado pela polícia.

Fabiane estava desaparecida.
Foto: Reprodução/Facebook.

Segundo o homem que encontrou a menina, o local, que leva ao antigo aterro sanitário do Caximba, e é uma estrada de chão batido, costuma ser propício para desova de corpos. “Todos nós já sabemos que aqui é um local de desova. Por isso, volta e meia encontramos gente morta por aqui, é complicado. Uma cena muito forte mesmo, mostra que o ser humano perdeu valor a vida”, disse.

Por ser um local afastado, com poucas casas e nenhuma residência próxima ao espaço onde a moça foi deixada, a DHPP vai ter certa dificuldade nas investigações. O corpo da jovem foi encaminhado ao Instituto Médico-Legal (IML). Denúncias que possam ajudar nas investigações podem ser passadas ao disque-denúncia da DHPP, pelo 0800-6431-121.

*Inicialmente, foi repassado, tanto pela polícia quanto pelo homem que teria encontrado o corpo, que se tratava de um rapaz. Mas com a chegada da perícia, foi descoberto que era uma moça. A matéria foi atualizada.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Últimas Notícias

Mais comentadas