enkontra.com
Fechar busca

Curitiba e Região

Duas mortes

Nova reconstituição do acidente do caso Carli Filho é feita no Mossunguê

A nova perícia e reconstituição foram solicitadas pela defesa do ex-deputado.

  • Por Gazeta Do Povo

Começou, por volta das 16h desta quinta-feira (12) uma nova perícia do caso envolvendo o ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho, que se envolveu numa colisão de trânsito em maio de 2009, resultando na morte de duas pessoas em Curitiba. A reportagem da tribuna está no local acompanhando toda a movimentação.

Segundo a deputada federal Christiane Yared (PR), mãe de um dos dois rapazes mortos na colisão, a nova perícia e reconstituição foram solicitadas pela defesa do ex-deputado e fazem parte do processo que corre na esfera cível, de caráter indenizatório, impetrado pela família Yared.

“O governo do estado autorizou nova perícia, mais uma vez indo contra aquilo que a própria Criminalística do estado acabou dizendo”, afirma a deputada, que questiona ainda a data da perícia em pleno feriado. Na esfera criminal, o processo está parado no Supremo Tribunal Federal.

A reconstituição é no local do acidente, na Rua Monsenhor Ivo Zanlorenzi, esquina com a Rua Paulo Gorski, no bairro Mossunguê, em Curitiba. O ex-deputado não está presente. O escritório do Professor René Dotti, que representa Carli Filho, informou que não iria comentar o caso porque o processo tramita em segredo de justiça.

Vídeo do local

Trânsito

Segundo a prefeitura de Curitiba, não estão previstos de antemão o bloqueio e a interdição da via. Agentes da Setran estão no local orientando o trânsito, das 15 às 20 horas.

Entenda o caso

Foto: Arquivo

Foto: Arquivo

Há oito anos, na madrugada de 7 de maio de 2009, uma colisão matou Gilmar de Souza Yared e Carlos Murilo de Almeida, na época com 26 e 20 anos, respectivamente. No volante do carro que provocou a batida estava o então deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho.

Na época, um exame no hospital onde ele foi atendido mostrou que o ex-parlamentar tinha 7,8 decigramas de álcool por litro de sangue. No entanto, como o exame foi realizado enquanto Carli Filho estava desacordado, a Justiça desconsiderou o teste como prova.

Em fevereiro de 2014, a 1.ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) entendeu que havia indícios de que Carli Filho assumiu o risco de matar ao dirigir em alta velocidade e depois de ingerir bebida alcoólica, e confirmou o júri popular. Carli Filho seria julgado nos dias 21 e 22 de janeiro, por duplo homicídio doloso qualificado.

Na decisão que concedeu a liminar e suspendeu o júri, o ministro Ricardo Lewandowski entendeu que seria necessário que os recursos interpostos pela defesa fossem julgados antes.

Em maio do ano passado, em mais um capítulo polêmico dessa história, Carli Filho divulgou um vídeo pedindo perdão às mães dos jovens mortos. Em resposta, a mãe de um deles, a deputada Chistiane Yared reagiu imediatamente, dizendo que o ex-deputado estava “sete anos atrasado para o enterro” do filho dela e que não percebeu sinceridade no pedido de perdão.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

24 Comentários em "Nova reconstituição do acidente do caso Carli Filho é feita no Mossunguê"


tkt_d33_149916
tkt_d33_149916
1 mês 28 dias atrás

parece-me que o escritório do dr. Rene Dotti é gerido pela filha do falecido. Se ganhar essa causa, pode fechar as portas. Impopular. Se o falecido soubesse onde iriam arrumar causa p defender, choraria.

República do Paraná
República do Paraná
1 mês 29 dias atrás

O indivíduo estava embriagado, acima da velocidade permitida para a via em que trafegava, com a carteira cassada e ceifou a vida de duas pessoas. Falta o que para julgar este irresponsável?????

renato
renato
1 mês 29 dias atrás

Falam que no Brasil rico não vai preso, mentira, no Brasil ninguém vai preso, pós regime militar e era lulismo, por isso quanto mais a pm matar melhor, porque matam 1 aparecem 10,

Temer Golpista Sócio Cunha
Temer Golpista Sócio Cunha
2 meses 16 minutos atrás

Não dá nada não. O povo até já elegeu o irmão Bernardo Ribas Carli (PSDB) como “herdeiro”. O Congresso se recusa a processar Temer; o Supremo sai em defesa de Aécio e segue o baile. Justiça no Brasil não é direito é poder

Elcio
Elcio
2 meses 49 minutos atrás

O juiz Rubens dos Santos Junior que prendeu a motorista que atropelou um ciclista poderia trabalhar neste caso.

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas