enkontra.com
Fechar busca

Publicidade

Litoral

Bandidos na praia

Foto: Átila Alberti.
Luiza Luersen
Escrito por Luiza Luersen

A ideia era passar um final de semana tranquilo, mas ao chegar à casa de praia não tem nada, tudo foi roubado. É assim que muitas pessoas estão encontrando suas residências no litoral do Estado. Pelas ruas de Pontal do Paraná, bairro Balneário Praia de Leste, a reportagem da Tribuna registrou mais de quatro casas arrombadas na mesma quadra. Além de roubarem as casas que ficam vazias ao longo do ano, os bandidos são ainda mais ousados. Eles picham as residências com ofensas aos proprietários e os vizinhos, que moram na cidade, já cansaram de ligar para os donos das casas para informar arrombamentos.

Leia mais: Quanto custa hospedagem no Litoral do Paraná?

“Esses vizinhos geralmente moram em outra cidade e a violência tá demais por aqui. Andando pelas ruas, eu vejo casa arrombada, pichada. Esses dias eu vi uns rapazes saindo de uma casa com televisão e até achei que era o vizinho que estava se mudando, mas não era. Não está fácil”, contou a moradora Marli Tavares Côrrea, 54 anos.

Foto: Átila Alberti.

Foto: Átila Alberti.

Outra moradora da cidade conta que os bandidos costumam entrar até mesmo em casa de trabalhadores da região e agem da mesma forma. “Na minha casa eles entraram enquanto eu estava no trabalho. Levaram diversos pertences nossos. Aqui na região, muitas casas foram roubadas. A gente precisa de segurança o ano todo. Só lembram do litoral durante a temporada de verão, mas e ao longo do ano? Quem mora aqui sofre muito com a violência. Até mesmo uma caminhada pela cidade está difícil. Tem diversos assaltantes, moradores de rua e muito risco para nós”, desabafou Ivone Lopes, 56.

A violência vai além de roubos a casas. Muitos moradores relatam a mesma insegurança que Ivone sente. A Tribuna flagrou gente morando em casas que servem para o trabalho do Corpo de Bombeiros durante a temporada de verão. Um morador, que optou por não se identificar, conta que o descaso é grande na cidade e que esses homens guardam objetos roubados dentro dessas “casinhas”.

Leia mais: Cinco pessoas são presas em operação contra o crime no Litoral

“Eu acho um absurdo a gente andar por aqui e se deparar com pessoas morando nessas casinhas dos bombeiros. Eles fazem fogueira e eu mesmo fui assaltado esses dias saindo do banco. Eu e outros moradores suspeitamos que são esses ’caras’ que estão morando aqui. Outro dia uma vizinha foi assaltada na passarela que dá acesso à praia. Levaram o celular e dinheiro. Está um absurdo”, contou, indignado.

Foto: Átila Alberti.

Foto: Átila Alberti.

Violência sem freio

Em Matinhos, a história se repete, de acordo com moradores. Por lá, as casas também estão sendo roubadas e uma série de mortes violentas aconteceram nos últimos dias, algo que preocupa ainda mais quem mora na região. “Eu tenho casa na praia e nossa casa já foi roubada neste ano. Além disso, a gente ficou sabendo de diversos homicídios registrados na cidade. Eu tenho medo de estar por lá durante a temporada, já que presenciei um tiroteio no ano novo. Antigamente a gente sabia quem morava na cidade, hoje vemos que a violência está absurda por lá. Tenho medo”, contou Maria do Socorro Alves, 36 anos, proprietária de uma casa de praia no município litorâneo.

Foto: Átila Alberti.

Foto: Átila Alberti.

Guaratuba também coleciona episódios de arrombamentos em casas. Um leitor relatou os frequentes assaltos na rua casa de praia da família, no bairro Nereidas. “Meu sogro tem casa em Guaratuba e na rua da casa dele entraram em cinco casas. Lá era um lugar tranquilo e agora até caminhar na rua tá difícil. Fora da temporada é muito vazio e eles se aproveitam da situação. Tá complicado mesmo, a gente precisa de segurança o ano todo”, relatou o morador, que não quis se identificar.

Fiscalização ampliada

A Polícia Militar (PM) explica que Pontal do Paraná, Matinhos e Guaratuba, recebem diariamente atenção da Polícia Militar do Paraná, por meio do 9º Batalhão da PM, com diversas modalidades de policiamento, como radiopatrulha, ROTAMs (Rondas Ostensivas Tático Móvel) e módulo móvel. O órgão reforçou que o trabalho vem sendo feito, com os meios humanos e materiais disponíveis, priorizando as ocorrências de perigo à vida.

“Nestas cidades o trabalho diário tem resultado em várias prisões e apreensões. No entanto, muitas pessoas que têm problemas com roubos, não registram o Boletim de Ocorrência, documento importante para o embasamento do policiamento. A população que registrou boletim de ocorrência, e precisa de resposta sobre o caso, deve procurar a Polícia Civil para ver o andamento das investigações”, orienta a corporação.

Desde o início de novembro, o litoral está recebendo apoio da Ação Integrada de Fiscalização Urbana (AIFU), nos finais de semana, que já abordou 712 pessoas e 31 veículos (destes carros dois foram recolhidos), autuou 19 pessoas por perturbação do sossego e lavrou 11 autuações de trânsito. A PM promete que estas ações vão continuar.

Sobre o autor

Luiza Luersen

Luiza Luersen

Jornalista formada pela Universidade Positivo e pós-graduanda em Mídias Digitais e Jornalismo Esportivo.

Deixe um comentário

avatar

54 Comentários em "Bandidos na praia"


FSS
FSS
2 dias 19 horas atrás

Se bem que, essa corja de políticos do litoral adora favelas. Quanto mais melhor para se elegerem e meterem a não em dinheiro público.

FSS
FSS
2 dias 19 horas atrás

Está chegando o momento de criar milícias para defender a população dos bandidos, já que o Estado não tem autoridade pra resolver nada. Aposto que num mês dava pra fazer a limpa.

Henrique
Henrique
2 dias 20 horas atrás

Quem liga? Litoral frequentado 30 dias por ano, gera poucos empregos, não movimenta grandes quantias, não recolhe tributação, não decide eleição. Turismo é Ilha do Mel, Morretes e Antonina, de resto (Pontal, Matinhos e Guaratuba) são os heróis proprietários que ainda insistem (ou se obrigam) a frequentar…

Lucas Bettin Rubro Negro
Lucas Bettin Rubro Negro
3 dias 3 horas atrás

PQP. notícia velha, os cara mudam o título e fazem nova chamada .É o fim não existe mais jornalismo como antigamente , que o profissional ia atrás da notícia . Enfim ,….não existe mais profissional ….

Oldboy
Oldboy
3 dias 7 horas atrás

O criminoso chama o dono da casa de trouxa por ter muros baixos. O marginal – que é um vagabundo covarde (porque só age às escondidas) – não deve ter nem casa, enquanto o proprietário deve ser um trabalhador que deve ter 2 casas… Afinal, quem é o trouxa?

Rubão
Rubão
5 dias 9 horas atrás

Então; está na hora de rever os nossos conceitos. Outrora a época de 1985 tempo em que o regime militar comandava o país, estes e outros tantos tipos de crimes não ocorriam e se ocorressem e o delinquente fosse preso nem mesmo a família dele sabia a onde ele foi parar. Êh, quando liberado e ao topar com uma viatura policial ou um agente nas ruas baixava a cabeça, pois sabia que alí estava o estado muito bem representadíssimo!!

Magda
Magda
5 dias 9 horas atrás

Sempre teve arrombamentos. Fazer BO ajuda? Fiz mais de 50 nos últimos 20 anos…. nunca prenderam ninguém e se prenderam meus pertences nunca voltaram… Os ladrões são os de sempre e mais os da região metropolitana que vem, alugam uma casinha e roubam a vizinhança toda, põe os objetos no carro vwlho e leva embora…. Se cairem 2 dias estão soltos…. Sou contra o desarmamento. O bandido tem arma. Também quero esse direito!

parzival
parzival
6 dias 5 horas atrás

se vcs sabem aonde estão os marginais, pq não tacam fogo enquanto eles dormem? cortem o mal pela raiz, essa raça ai é só matando!

Beijamin Arrola
Beijamin Arrola
6 dias 10 horas atrás

Se até já sabem onde os marginais se escondem, porque não descem o pipoco neles?

Barreto
Barreto
6 dias 21 horas atrás

Um governo incompetente como o do Paraná não consegue cuidar de um litoral minúsculo como o nosso. Apenas 100 km e não conseguem manter uma decência!

Trancando
Trancando
6 dias 12 horas atrás

fácil criticar, quando não se tem orçamento para investimento. Você apoia o estatuto do Desarmamento?

wpDiscuz
(41) 9683-9504