enkontra.com
Fechar busca

Publicidade

Colombo

Dias melhores

Foto: Felipe Rosa.
Maria Luiza Piccoli

Os olhos abatidos, cansados devido à noite mal dormida por conta das fortes dores no corpo, não se destacam mais que o riso contido do menino que – quietinho – assiste à tv, deitado na cama do quarto simples de paredes azuis e móveis gastos. É assim, dentro da casa de apenas três cômodos situada em uma área de invasão, no município de Colombo – na Região Metropolitana de Curitiba – que Luiz Henrique Sousa Dias, 9, passa a maior parte do tempo. Portador de um câncer raro, o menino divide as horas do dia entre a programação da tv aberta e momentos de repouso, já que brincar com os irmãos e vizinhos no quintal, virou sinônimo de risco de morte.

Além da dificuldade de locomoção por conta da sonda alimentar fixa no nariz, a imunidade baixa e as dores intensas em várias partes do corpo, tornam atividades simples do dia-a-dia, impraticáveis. “Pra ele é perigoso até levantar da cama pra ir ao banheiro. O risco de infecção é constante, então, pra evitar a piora do quadro geral, evitamos ao máximo que ele saia do quarto”, afirma Samanta Sousa, 26, mãe de Luiz Henrique.

Leia mais! Não tá fácil! moradores reclamam da demora de obras

A longa trajetória de remédios e quimioterapias começou há oito anos, em Porto Alegre, onde Luiz Henrique nasceu. As crises convulsivas, aos dois anos de idade, foram o primeiro sinal de que algo não ia bem com o bebê. Depois de alguns exames, o diagnóstico: melanoma neurocutânea – tipo raro de câncer que consiste no desenvolvimento de células de melanina nas membranas das meninges – que revestem o sistema nervoso central. Maligno, e potencialmente fatal, o câncer se manifesta na infância e provoca tumores em partes importantes do cérebro – como a crista neural – que afeta diretamente a formação de ossos, cartilagens, tecidos da face e neurônios. Além disso, pelo fato de estar diretamente associada ao sistema nervoso central, a doença provoca também uma série de encefalopatias que afetam o funcionamento do cérebro, podendo acarretar sintomas como alterações no estado mental, variações de humor, demência, perda de memória e convulsões.

O prognóstico desanimador dado pelos médicos estabelecia um prazo de vida curto para o menino – que poderia viver somente até os 4 ou 5 anos de idade. Logo, o Hospital Santo Antônio, em Porto Alegre, se tornou endereço fixo de mãe e filho, que por longos 6 meses enfrentaram a primeira onda de tratamentos intensivos para tentar combater as células malignas e aumentar ao máximo a expectativa de vida da criança. Passado um tempo, eles mudaram para a Região Metropolitana de Curitiba por conta do casamento de Samanta com o vendedor Jonatan França, morador do município de Colombo. Além de Luiz Henrique, a jovem trouxe junto o filho Eduardo, 4, e depois – já instalados na região – chegou a menor, Mirian Vitória, hoje com 2 anos.

Foto: Felipe Rosa.

Foto: Felipe Rosa.

A casa de chão batido fica situada numa área de invasão, nas imediações da Rodovia da Uva. Localizada numa vila de 8 moradias que antigamente pertenciam a uma fábrica de cal da região, a casa que abriga a família de Samanta carece de estrutura básica. Sem fundação adequada ou sistema de esgoto, por exemplo, a residência sofre constantes alagamentos e, nos períodos quentes do ano, a poeira e o cheiro da fossa tornam o ambiente insalubre. “O Luiz Henrique insiste, mas eu só deixo brincar lá fora quando está seco. Às vezes ele chega a passar mal dentro de casa, por conta do ambiente abafado e do cheiro que sobe pelo ralo do banheiro. É insuportável até pra nós. Não raras vezes ele vomita e perde sonda. Aí é uma correria pro hospital”, conta Samanta.

Nova cidade, nova rotina médica. Assim que chegou, Samanta procurou o Hospital Pequeno Príncipe e, desde então, as longas sessões de quimioterapia acontecem todas as quintas-feiras no centro de oncologia do centro médico. Aos poucos a família se habitou à nova cidade e seguia lutando, mantendo a mente positiva na expectativa da cura do menino. Com o passar dos meses, no entanto, notícias devastadoras. O câncer começava a se espalhar pelo corpo, e os tratamentos já não continham o aumento acelerado das células malignas. “No fim do ano passado tivemos a notícia de que a doença já tinha atingido toda a metade superior do corpo – da cintura pra cima. Ele foi desenganado pelos médicos, que disseram pra trazê-lo de volta pra casa na tentativa de proporcionar dias melhores pra ele”, lamenta a mãe.

Leia mais! Perigosas e venenosas! Moradores em pânico com a invasão de cobras!

De um lado o sofrimento com a doença do filho. Do outro, a incerteza em relação ao amanhã. Como se a triste realidade médica de Luiz Henrique já não fosse suficiente, a casa onde mora a família Sousa agora é alvo de leilão judicial. De acordo com Samanta, as residências da antiga vila industrial estão atreladas ao processo de falência da fábrica a qual pertenciam, e agora, os moradores correm risco de despejo a qualquer momento. Samanta conta que a família se instalou na residência com a ajuda de uma amiga, conhecida dos proprietários da casa. “A casinha ia ficar vazia, então viemos pra cá. Mas aí a empresa faliu e o primeiro leilão já aconteceu, porque a gente ficou sabendo. Mas isso vai continuar e estamos todos com muito medo de sair daqui. Tentei o ‘Minha Casa Minha Vida’, mas não deu certo e se realmente tivermos que sair, não temos pra onde ir”, diz.

Foto: Felipe Rosa.

Foto: Felipe Rosa.

Diante de todas as dificuldades, a família ainda luta para proporcionar dias mais felizes para o Luiz Henrique. Com a ajuda da comunidade vizinha e entidades beneficentes, o menino ganhou uma festa de aniversário no fim de Dezembro. Entre os presentes doados, uma bicicleta nova e alguns itens essenciais à manutenção da saúde da criança, como o suporte para a sonda e leite em pó especial para ganho de peso.

Com um orçamento familiar que gira em torno de R$1.080 mil – provenientes do salário de Jonatan e do programa Bolsa Família – os Sousa agora lutam para manter a moradia e melhorá-la dentro do que for possível. Uma das principais demandas é em relação ao banheiro da residência, que fica situado na parte externa da casa e carece da infra estrutura básica para banho e esgoto. Segundo Samanta, dar banho em Luiz Henrique é uma tarefa extremamente delicada, uma vez que ele não pode ter contato com o piso como qualquer outra pessoa. “O chão já não é muito limpo, e às vezes, sobe sujeira pelo ralo devido à falta de fundação e tubulação. Por isso a gente improvisa com a banheirinha de plástico da Vitória. Mesmo assim é muito apertado e desconfortável”, afirma.

A família chegou a orçar um banheiro novo, porém o valor foge do que lhes é possível pagar. Ao todo foram cobrados R$2.000 mil. Além do banheiro, a própria casa é alvo frequente de infiltrações e umidade, que não melhoram com a presença de goteiras no teto. Para impermeabilização total, seriam necessários em torno de R$15.000 a 20.000 mil inicialmente. “Sabemos que o tempo não vai parar, mas mesmo assim, enquanto tivermos vida, vamos lutar pra proporcionar mais qualidade de vida pro nosso Luiz Henrique”, finaliza.

Ajude o Luiz Henrique
Contato: Samanta Sousa (41) 98483-9957 ou (41)3656-4801

Dados Bancários
Nome: Luiz Henrique Sousa Dias
CPF: 035.759.160 71
Banco: Bradesco
Agência 1867-8
C/C: 0005109-8

Sobre o autor

Maria Luiza Piccoli

Maria Luiza Piccoli

Deixe um comentário

avatar

2 Comentários em "Dias melhores"


Mimi
Mimi
12 dias 7 horas atrás

Eles precisam muito mais que arrumar a casa,precisam de uma casa.Pois caso sejam despejados o dinheiro investido sera perdido.As vezes a gente pensa que está em uma situação complicada ai vê que reclamamos de barriga cheia…

Bruno
Bruno
12 dias 9 horas atrás

20 mil, troco de pinga pra RPC…

wpDiscuz
(41) 9683-9504