enkontra.com
Fechar busca

Publicidade

CIC

Multas absurdas

Fazendo o mesmo caminho todos os dias para chegar até a empresa onde trabalha, situada às margens do Contorno Sul, trecho da BR-376 na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), o encarregado de depósito Jorge Ademir da Silva, 45 anos, teve uma surpresa desagradável há poucos dias. Em casa, ele recebeu uma multa registrada por um radar que faz parte de seu trajeto, localizado no Km 598,9 da rodovia, em frente à Case New Holland (CNH). Mas o que até então seria uma situação normal acabou gerando revolta e desconfiança, pela velocidade registrada pelo equipamento.

Gilberto e Radar consideram abusivas as multas recebidas no Contorno Sul e já recorreram. Foto: Felipe Rosa

Gilberto e Jorge consideram abusivas as multas recebidas no Contorno Sul e já recorreram. Foto: Felipe Rosa

“Nunca tomei uma multa, tenho carteira há anos, para dirigir ônibus e caminhões. Quando vi a multa tomei um susto. Nela mostrava que eu tinha passado a 175 quilômetros por hora (km/h) pelo radar. Acho que meu carro nem chega a essa velocidade. Além disto, esta região tem muitos congestionamentos, é impossível passar dos 75 km/h no Contorno, principalmente no fim da tarde e à noite. Eu nunca andaria nesta velocidade, aqui ou em qualquer outro lugar. Estou ‘injuriado’ e com medo de continuar passando por este radar”, desabafa Jorge, que recorreu aos órgãos competentes para solicitar a anulação da multa.

Se não conseguir que seu recurso seja aceito, pela infração supostamente cometida às 19h45 do dia 27 de abril deste ano, ele terá que desembolsar R$ 880,41, valor correspondente à multa por excesso de velocidade, por transitar com velocidade acima de 50% do permitido na via, que no local do radar, é de 60 km/h. Além da multa em dinheiro, neste caso ainda há a perda de 21 pontos na carteira de habilitação, o que leva à suspensão imediata do documento.

Jorge recebeu auto de infração por supostamente transitar a 175 km/h, o que ele nega. Foto: Felipe Rosa

Jorge foi autuado por supostamente transitar a 175 km/h, o que ele nega. Foto: Felipe Rosa

“Injusto”

E ele não é a única pessoa que reclama deste radar. Seu colega de trabalho, o carreteiro João Gilberto Martins, 43, também foi “premiado” com uma multa no mesmo local, cerca de duas semanas depois. “Chegou a multa lá em casa na semana passada, uma multa gravíssima, com desconto de pontos da carteira multiplicado por três. Quando abri, quase não acreditei, estava escrito que passei pelo radar a 162 km/h. Sei que não ultrapassei a velocidade. Cuido da minha carteira mais do que tudo, preciso dela para trabalhar, faço sempre cursos de direção defensiva na empresa. Não quero pagar esta multa, acho injusto, não devo, sei que não estava correndo”, relata João, que foi autuado no dia 12 de maio, às 20h28.

Gilberto foi autuado por supostamente trafegar a 162 km/h, mas ele contesta. Foto: Felipe Rosa

Gilberto foi autuado por supostamente trafegar a 162 km/h, mas ele contesta. Foto: Felipe Rosa

Falhas no radar

Apesar das multas serem recentes, esta não é a primeira vez que o radar apresenta problemas. Segundo os motoristas, há algum tempo o equipamento costuma registrar uma velocidade diferente da mostrada pelo velocímetro dos veículos, além de falhar, deixar de registrar a passagens de alguns carros e às vezes, ficar apagado.

“Eu trabalho em uma empresa que fica no Contorno, passo por esta região da CIC todos os dias. No dia 5 de maio (deste ano), tinha um torneio no clube da empresa, por isso saí mais tarde de lá e passei pelo radar às 22h24. Sempre ando por ali, devagar e ainda assim recebi uma multa de 167 km/h. Mas sei que passei devagar. Isso está errado, é injusto. Este radar trava direto, fica ‘zerado’ ou só piscando. Não é um equipamento confiável. Eles precisam fazer manutenção deste radar”, diz o metalúrgico João Batista da Silva, 51, que também pede a revisão da infração.

No entanto, na manhã do dia 9 de junho, quando a equipe da Tribuna esteve no local, o radar registrou a velocidade exata mostrada pelo velocímetro do carro da reportagem. Na região, a poucos quilômetros dali, outro radar também incomodou os motoristas por erros na marcação da velocidade registrada, como mostramos em setembro do ano passado.

DNIT admite falha técnica e orienta lesados a formalizarem a reclamação na Ouvidoria. Foto: Felipe Rosa

DNIT admite falha técnica e orienta lesados a formalizarem a reclamação na Ouvidoria. Foto: Felipe Rosa

DNIT orienta lesados

Sobre as reclamações dos motoristas, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), informou que “a princípio, devido às altas velocidades apontadas pelo radar, tudo indica que seja um problema técnico do equipamento em questão”. Como o problema é recente, o órgão não soube precisar o número de autuações, já que os motoristas autuados indevidamente estão entrando em contato com a superintendência no Paraná e a sede em Brasília.

O DNIT pede a todos que tiveram o mesmo problema que registrem sua reclamação na Ouvidoria localizada na capital federal. É possível entrar em contato pelo telefone: 0800-611-535, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h. Além disso, dá para enviar mensagens pelo site: http://servicos.dnit.gov.br/ouvidoria/MainInternet.do?osessionid=6609ACE066F35AEC. O Sistema Online de Ouvidoria funciona 24h. Ou ainda enviar um FAX para o número (61) 3315-4051. Outra possibilidade é mandar cartas para: SAN Qd. 3 Lote A, 4º Andar, sala 097, Ed. Núcleo dos Transportes, Brasília-DF. CEP: 70040-902.

Sobre o autor

Paula Weidlich

Paula Weidlich

Deixe um comentário

avatar

23 Comentários em "Multas absurdas"


Gilberto
Gilberto
4 meses 2 dias atrás

ja estou na 4 multa recebida no mesmo local sendo que todos não passei a mais de 50km

ulysses freire da paz jr
ulysses freire da paz jr
4 meses 2 dias atrás

ulysses freire da paz jr
ulysses freire da paz jr
4 meses 2 dias atrás

Fox
Fox
4 meses 2 dias atrás

Um Meriva atinge essa velocidade facilmente, mas acredito na hipótese de fraude nessas multas.

Paulo Ricardo
Paulo Ricardo
4 meses 3 dias atrás

isto é sinônimo de um Governo falido,
Um Departamento que não consegue administrar o que é para Administrar.
Onde inventa multas, para tentar arrecadar dinheiro, já levei 2 multas, nesta mesmo local!
estou buscando meus direitos, uma vez que o recurso de defesa, não foi aceito mesmo sabendo-se do erro!

Osmar Dito
Osmar Dito
4 meses 3 dias atrás

Pior é ver esses comentários desses imbecil dando razão para o DNIT, como sabemos, esses equipamentos apresentam problemas…o que seria facilmente resolvido como uma bela de uma tijolada ou uma marretada. Inútil e querer recorrer desse tipo de multa…ja que não nem existe conversa com departamento de trânsito.

Geovane
Geovane
4 meses 4 dias atrás

Esses motoristas apressados não tem nem vergonha de mostrar a cara, isso sim é ser cara-de-pau, pensam que são os bons da estrada. Aceleram pensando que podem se safar de radar inventando estória. Dalhe multa , só mexendo no bolso pra aprenderem

BRASILEIRO
BRASILEIRO
4 meses 4 dias atrás

carli filho decolou com seu carro e matou duas pessoas e estava bebado e com a carteira estourada por pontos , isso é fato . qual é a punição que levou ? nenhuma , isso é fato também. não é porque os outros erram que adquirimos o direito de errar também. só desejamos que todos sejam punidos por seus erros, sem as exceções corruptas , de praxe.

BRASILEIRO
BRASILEIRO
4 meses 4 dias atrás

existe lei para punir o cidadão errado. Isto é certo. Quando esse cidadão prova que um radar estava com leituras erradas, que registra uma velocidade acima da máxima tecnicamente possível, que o carro dele foi clonado, que ele estava em outro lugar na hora da multa, etc. qual é a lei para punir o responsável do DETRAN ? nem pedido de desculpa o DETRAN emite para o cidadão.

ulysses freire da paz jr
ulysses freire da paz jr
4 meses 2 dias atrás

AVALIADOR
AVALIADOR
4 meses 4 dias atrás

O negócio é ir lá, derrubar e estourar tudo.

wpDiscuz
(41) 9683-9504