enkontra.com
Fechar busca

Publicidade

Centro

Palíndromos!

“Só vovós”. Esta era a manchete da Tribuna no dia 19 de março de 2010 e que fez o palindromista Osiris Duarte descer imediatamente do ônibus em que estava. A razão do interesse repentino não foi a dupla presa por aplicar golpes em idosas, mas sim as palavras escritas na capa e que formam um palíndromo, ou seja, frase que continua igual quando é lida ao contrário.

“Era um palíndromo perfeito, com os acentos nos próprios lugares”, lembra. O jornal foi guardado por Duarte e se juntou a um acervo com mais de cinco mil palíndromos criados por ele, relação que não para de crescer, já que a inspiração acontece a todo momento. “Pensei que ia parar nos três mil palíndromos, mas não para, não. Tem que estar atento e ter palíndromo na cabeça”, diz ele, que ainda explica: quanto mais desenvolvidos o vocabulário e a criatividade da pessoa, mais fácil será para identificar as palavras e criar frases que se repetem ao contrário.

A maioria foi parar num livro que já está em execução, com recursos da Lei de Incentivo à Cultura, pela Fundação Cultural de Curitiba. A publicação ainda traz uma novidade, os palíndromos circulares, criação própria que Duarte garante nunca ter visto antes. Nessa modalidade, as palavras ficam em círculo e se repetem quando são lidas juntas, em ambos sentidos.

O diferencial do livro e da criação dos palíndromos, diz o autor, é trazer uma possibilidade de humor, já que todos eles são inseridos em um contexto, com legendas. “É o humor mais puro que existe, que brinca sem falar de etnias, nem de pessoas com deficiências, só com as palavras. Causa curiosidade e tem que estar no ritmo”, afirma.

Palíndromo até no nome

Foi só depois de algum tempo se dedicando ao estudo dos palíndromos que Osiris percebeu que a junção de seu apelido de infância com seu sobrenome presente no registro civil também forma um: Ziro Roriz. O primeiro contato foi no colégio, na década de 60, quando um colega de classe escreveu no quadro a frase “socorram-me, subi no ônibus em Marrocos”. “E o palíndromo ficou dormindo uns 40 anos na minha cabeça”, conta Duarte.

A dedicação aos palíndromos só aconteceu há 15 anos, depois da aposentadoria.

Durante esse intervalo ele trabalhou como bancário e professor de matemática financeira, profissão que ajudou na atividade, já que as fórmulas matemáticas também podem ser lidas de trás pra frente.

A criação de poesias e haicais também estimula Duarte na criação dos palíndromos.

O maior da língua

Osiris é o criador do mais extenso palíndromo da Língua Portuguesa, composto por 371 palavras incluindo o título:

“O duplo pó do trote torpe de potro meu que morto pede protetor todo polpudo”.

O palíndromo completo pode ser lido no site: http://www.recantodasletras.com.br/gramatica/2018592.

 

Sobre o autor

Carolina Gabardo Belo

Carolina Gabardo Belo

Carolina é jornalista e gosta de contar boas histórias! E-mail: carolinab@tribunadoparana.com.br

Deixe um comentário

avatar

2 Comentários em "Palíndromos!"


trackback

[…] Ziro Roriz. Entre frases, textos e poemas, possui uma coleção com mais quatro mil palíndromos, como a Tribuna já mostrou em fevereiro de 2014. Apaixonado confesso por brincar com a língua portuguesa, Ziro agora trabalha em dois projetos […]

Paulo Henrique Tsingos
Paulo Henrique Tsingos
3 anos 7 meses atrás

adoro palíndromos, se possível visitem o sito (em italiano) de geracao de palíndromos (inclusive circulares): http://matematica.unibocconi.it/palindromi/home.htm

wpDiscuz
(41) 9683-9504