Fechar busca

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Almirante Tamandaré

Nocaute no crime

Com uma visão aguçada, como de uma ave de rapina, Paulo Campolin, 50, observou há cerca de 30 anos que teria a chave para tirar crianças, jovens e adultos da criminalidade. Em sua adolescência, ele teve a oportunidade de receber um espaço para treinar artes marciais em seu bairro de nascimento, o Cachoeira, na divisa com o município de Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

Em uma região carente, onde o “trabalho fácil” era o envolvimento com o crime, Paulo se aperfeiçoou nas lutas e decidiu que iria mudar a vida das pessoas que estavam ao seu redor. “As artes marciais trazem uma filosofia de vida para o indivíduo. Eu comecei a passar adiante essa ideologia, ajudando as crianças e os jovens, com o objetivo de dar mais saúde física e mental para todos eles”, disse o líder da academia Falcão Negro. O local, aliás, fica pequeno com a quantidade de seguidores do Mestre Paulo, como é conhecido.

Foto: Marcelo Andrade

Projeto do Mestre Paulo tem como objetivo tirar as crianças e os adolescentes da rua. Foto: Marcelo Andrade

Pra fazer parte do time, não precisa pagar. Porém, há uma série de fatores que são analisados pela equipe Falcão Negro para, enfim, “vestir a camisa”. As crianças e os jovens, por exemplo, precisam estar estudando. “E com boas notas”, ressalta Paulo. “Nós acompanhamos o desempenho dos menores nas escolas. Os que estiverem com as melhores notas ainda ganham uma medalha como incentivo”, completa.

Trabalhar o lado psicológico dos ‘atletas’ é um dos principais objetivos do time Falcão Negro. “Nós preparamos a mentalidade deles para todos os conflitos. A nossa prioridade é a educação. Depois vem o esporte e a parte física. Normalmente, o pessoal já vem de um meio complicado, com problemas dentro e fora de suas casas. Nós ensinamos a desvencilhar das dificuldades”, ressaltou Paulo.

Ajuda

Projeto funciona com o apoio dos comerciantes da região. Foto: Marcelo Andrade.

Projeto funciona com o apoio dos comerciantes da região. Foto: Marcelo Andrade.

Para continuar com o trabalho voluntário, Paulo Campolin conta com a colaboração de comércios da região. Uma distribuidora de bebidas ajuda com galões de água para os “atletas”. Outra loja fornece materiais de limpeza para manter o local higienizado. Porém, faltam equipamentos para que o pessoal possa treinar de uma forma mais adequada.

“Nós temos muitas dificuldades com material. Tirei do meu bolso para comprar algumas coisas para a academia. Não temos uniformes e nem quimonos. Não temos condições de comprar luvas de boxe pra eles não se machucarem e a maior parte do nosso material está deteriorada. Não temos recursos”, lamentou Paulo. Para ajudar a equipe Falcão Negro, basta entrar em contato pela página: Facebook ou pelo WhatsApp (41) 98421-2261.

Pais e filhos

Foto: Marcelo Andrade

Marcelo trouxe seu filho, Caio, para melhorar o comportamento do menino em casa e na escola. Foto: Marcelo Andrade

A maior parte dos pais procura pela equipe Falcão Negro por conta do comportamento dos seus filhos. Marcelo Sobral é pai do pequeno Caio, de 6 anos. Por indicação de amigos, ele levou o menino para a academia para que o garoto pudesse ficar mais tranquilo em casa e na escola.

“Nós trouxemos ele por causa do comportamento agressivo que vinha tendo. Já são dois meses na academia e ele mudou bastante. Ele não falta a um treinamento. A equipe dá muita ênfase na questão da disciplina e isso é muito bom para as crianças e os jovens”, destacou o pai.

A vida de Fátima Milena, 16 anos, também foi mudada graças ao time do Mestre Paulo. Segundo o pai dela, Dilson Correia, a garota sofria depressão antes de iniciar os treinamentos com a galera do Falcão Negro. “Ela havia ficado internada por 15 dias. Nós não sabíamos o que fazer. Uma psicóloga nos falou para procurarmos algo diferente pra ela. Nós conhecíamos o Mestre Paulo e trouxemos a Milena. Ela melhorou bastante depois disso”, comemorou Dilson.

Casal

Foto: Marcelo Andrade

Foto: Marcelo Andrade

Jean Soares, 21 anos, e Caroline Siqueira, 23, se conheceram, praticamente, dentro da academia Falcão Negro. Moradores da região, eles entraram no projeto quando ainda eram crianças. Atualmente, eles são casados e ajudam o Mestre Paulo no treinamento dos alunos menores.

“Estamos há quase cinco anos juntos e tentamos ajudar da melhor forma possível aqui. Já vi muita gente entrando. Tem que ter paciência para trabalhar com as crianças, mas já tenho o jeito para lidar com elas para que possam crescer com mais disciplina e saúde”, frisou Jean.

Galeria de Fotos:

Leia mais sobre Almirante Tamandaré

Publicidade

Publicidade

Sobre o autor

Diogo Souza

Deixe um comentário

avatar

1 Comentário em "Nocaute no crime"


Vilmar
Vilmar
4 meses 18 dias atrás

PARABÉNS GRANDE MESTRE PAULO CAMPOLIN, junto com seus Professores e Instrutores vcs estão formando Grandes Campeões da Vida…..

wpDiscuz
(41) 9683-9504